Não sou candidata do governo, diz Simone Tebet, em campanha no Senado

Senadora do MDB reclama de interferência de Onyx Lorenzoni e defende tripartição dos Poderes

Daniel Carvalho
Brasília

Um dia após se lançar oficialmente na disputa pela presidência do Senado, a líder do MDB na Casa, Simone Tebet (MS), disse nesta terça-feira (22) que não é candidata do governo e reclamou da interferência do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, na eleição parlamentar.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) durante reunião da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado
A senadora Simone Tebet (MDB-MS) durante reunião da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado - Pedro França - 10.jul.2018/Agência Senado

Tebet afirmou ter tomado conhecimento de que o DEM manteria a candidatura do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), apesar de o MDB ter a maior bancada da Casa, e que o partido preferiria a candidatura de Renan Calheiros (MDB-AL) por, supostamente, ser um nome mais fácil de ser abatido por causa dos arranhões em sua imagem provocados pelos 18 inquéritos do qual já foi alvo no STF (Supremo Tribunal Federal) —9 casos foram arquivados.

"Por parte do DEM, já tive uma conversa, uma sinalização de que interessaria até para o DEM uma candidatura do Renan contra eles porque, mesmo com voto fechado [secreto], eles acham que poderiam ganhar do MDB. Isso é algo que está circulando dentro do Senado. A princípio, acho que eles estão equivocados", disse a senadora.

Questionada sobre se entende haver dedo de Onyx, respondeu que sim.

"Não tem como não ter", afirmou. "O que circula na Casa muito fortemente é que o DEM tem uma preferência por uma candidatura do MDB frágil porque o DEM quer a presidência do Senado. É o DEM, não o governo. Porque o governo quer a governabilidade", disse a senadora, lembrando que "não se vota uma reforma da Previdência sem ter a maior bancada apoiando".

Procurado por meio de sua assessoria, Onyx informou que não iria se manifestar.

A senadora disse que não é a candidata do governo, mas que não negaria recebimento de apoio. Oficialmente, o MDB diz ter optado por "independência a favor do país".

"Vou apoiar iniciativas do governo se achar que é bom para o país", afirmou Tebet. "Meu problema não é com o governo. Estou dando o benefício da dúvida. Por enquanto é um movimento da bancada do DEM, que já tem três ministérios, disputa a presidência da Câmara e quer a presidência do Senado. Este é um momento em que você tem que ter a balança fiel da tripartição dos poderes."

O partido do presidente Jair Bolsonaro, PSL, lançou a candidatura do Major Olímpio (SP), mas há indícios de que ele deve recuar. 

Tebet telefonou para Renan Calheiros e os dois conversaram nesta terça. Ela não descartou lançar candidatura avulsa caso seja derrotada na disputa interna na bancada do MDB na próxima terça-feira (29)

"A última coisa que pode acontecer é o MDB perder a presidência [do Senado]. Se depender de mim, isso não vai acontecer", disse a senadora.

Simone Tebet pretendia oficializar sua candidatura somente no fim do mês. Afirmou que decidiu antecipar o movimento por alguns motivos, como a intenção do DEM de enfrentar o MDB. Mas este não é a única razão.

"Diante da dificuldade que estou vendo do apoio de outros colegas à candidatura de Renan, estou me colocando como candidata dentro da bancada", disse a senadora, que passou o dia conversando com colegas de Senado.

Após a divulgação das declarações de Tebet, Renan foi às redes sociais dizer que a candidatura dela "robustece o processo decisório e consolidará ainda mais a união da nossa bancada. O fundamental é que cheguemos juntos ao plenário no dia 1º de fevereiro".

A assessoria do presidente nacional do MDB, Romero Jucá, divulgou nota afirmando que o partido via com satisfação o lançamento da candidatura.

"Em nenhum momento, esta candidatura divide o MDB", diz o comunicado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.