Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Política não é muito da mulher', diz presidente nacional do PSL

Luciano Bivar nega candidatura laranja e defende fim da cota de gênero

Camila Mattoso Ranier Bragon
Brasília

Presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, 74, afirmou à Folha que, em sua visão, mulher não tem vocação para política.

Fundador e principal cacique da legenda, ele se disse contra a regra de cota que está em vigor atualmente e que determina que 30% dos candidatos devem ser do sexo feminino. “[A política] não é muito da mulher. Eu não sou psicólogo, não. Mas eu sei isso”, disse.

Luciano Bivar, presidente do PSL - Clara Gouvêa/UOL

Bivar afirmou não ter sido consultado sobre o repasse de R$ 400 mil de dinheiro público a uma candidatura de fachada de seu estado, Pernambuco, onde foi reeleito deputado federal em 2018.

Ele negou que Maria de Lourdes Paixão, que é secretária no partido e obteve apenas 274 votos apesar de ter recebido a terceira maior fatia nacional da verba do PSL, seja laranja e defendeu a utilização do dinheiro, o que, segundo ele, foi feito dentro de legalidade.

 

Estamos fazendo uma reportagem sobre a candidata Maria de Lourdes Paixão, o sr. a conhece? - Conheço, conheço.

Ela foi candidata naquelas vagas remanescentes, em 7 de agosto… - [Interrompe] Sim… Ela não podia se candidatar como remanescente? Por favor, me dá a informação, eu sou presidente nacional e não sei o que se passa nas estaduais. Ela não podia se candidatar?

O sr. se lembra ou não? - Sim... Não, não, eu não me lembro como ela se candidatou. O jurídico do partido é que faz tudo isso. O Brasil inteiro, imagina, não me chega, imagina.

É que nesse caso ela é do seu estado - Ela é do meu estado, inclusive nos contrariou, porque a chance dela de ganhar era muito pequena e ela se candidatando a deputada federal… eu certamente, no mínimo, ia perder o voto da família dela.

Mas não perdeu muito, porque ela só teve 274 votos - Isso foi uma lição, inclusive eu falei pro pessoal: isso que aconteceu foi uma prova de que realmente fazer política não é fácil. As pessoas acham que conhecem meia dúzia de amigos e que vão se eleger presidente do Brasil. Só Bolsonaro.

Ela foi a terceira candidata que mais recebeu dinheiro do partido. Só ficou depois do sr. e do delegado Waldir [deputado federal reeleito e líder do PSL na Câmara] - [Interrompe] E ela passou do limite financeiro?

Ela recebeu três dias antes da eleição... - [Interrompe] Sim, mas isso é ilegal?

Ela disse que não conseguiu fazer muita campanha porque o dinheiro só chegou em cima da hora. Por que só chegou em cima da hora? - Ah, era uma dificuldade muito grande, porque o Brasil inteiro atrás de dinheiro para fazer campanha. Mas não sei como foi o dinheiro para ela, se veio da nacional ou veio da local, lá de Pernambuco.

Foi da [direção] nacional. O que a gente quer saber é pelo alto volume de dinheiro público... [Interrompe] Qual é o alto volume?

Não considera alto R$ 400 mil? - R$ 400 mil? Uma campanha para deputado federal pode até R$ 2,5 milhões.

Dos R$ 400 mil, ela gastou R$ 380 mil numa gráfica, que a gente foi procurar e não existe no endereço - Essa gráfica não existe? Não acredito. Vou ver isso aqui agora. Deixa eu ver aqui, essa gráfica não existe, você está dizendo uma coisa... Um momentinho só, estou no outro telefone tentando falar…

[Telefone toca, Bivar entra em uma ligação e pede para retornar depois]

[Minutos depois]

Eu não consegui falar com o presidente do partido, o [Antônio de] Rueda, mas falei com o diretor-executivo do partido, ele diz que estranha isso, porque a gráfica tem tudo, tem tudo, então a informação que chegou a você, ela é capciosa.

O repórter foi visitar o endereço que consta na nota fiscal e é um martelinho de ouro que está lá há um ano - É o que?

Um martelinho de ouro - Não, não, não, não pode ser. Ele [o diretor] está me dizendo aqui que o endereço está tudo certo. Acho que o teu repórter aí não viu bem a coisa, posso te garantir isso, porque os caras não vão dar uma informação errada pra mim. A gráfica existe. Deixa eu ligar novamente para ele para ver o endereço para você não escrever uma inverdade e depois eu acionar seu repórter [no Recife].

[Bivar entra em uma ligação com outro dirigente do partido. Ele pede explicações sobre o endereço da gráfica, diz que a Folha tinha ido ao local e recebe como resposta que o endereço está na nota fiscal. Ele explica para o dirigente que a reportagem foi no endereço e pede que a rua e o número sejam checados]

[A entrevista continua]

A questão de ter dado esse dinheiro quatro dias antes da eleição. A candidata declarou ter feito 4 milhões de santinhos na véspera. Isso funciona, deputado? - Essa questão de marketing, minha filha, eu não sei. Eu entrego tudo ao marqueteiro. Isso a gente parte de um campo legal para um campo de marketing ou de achismo.

Eu acho o seguinte, sem brincadeira, eu sei que você está muito afável comigo, mas você não acha que o sistema como um todo é um negócio incrível? Como você pode dizer que a Camila [repórter] só pode escrever cinco linhas no jornal, e aí você escreve duas, mas qual o problema de escrever só duas? São coisas que eu não entendo no espírito do legislador.

O sr. está dizendo sobre o preenchimento de cotas? - É, tem o preenchimento de cotas, tem uma série de coisas. Tem que ir com vocação, pessoas que têm vocação. Tá certo? Veja bem, menina linda, eu quero que você filtre bem o que eu estou falando pra você.

O partido precisa divulgar o nome dele. E tem aquela cota que é obrigado por lei. Então, tanto faz o nome dela, Maria de Lourdes no caso, né? Tanto faz se vai o nome dela ou o nome do PSL. Não é uma divulgação? O importante é você me dizer, essa gráfica existe ou não existe?

Vamos por partes. Antes da questão da gráfica. A gente tem uma decisão do partido para a Maria de Lourdes concorrer. Ela recebe um dinheiro do partido, que é público. - Mas é ilegal? A lei não determina isso? Eu não estou entendendo, vamos discutir no campo objetivo.

Mas a minha pergunta é o que ela fez durante a campanha? - Eu não sei, ela pode ter passado três dias, porque parece que o dinheiro chegou tarde, para distribuir o santinho dela. Deve estar com calo no pé, fazendo campanha, achando que cada santinho que ela distribuía era um voto. Política não é assim, menina. 

Mas o sr. sabia que ela seria privilegiada? - Eu não sabia nem que ela era candidata. Fui saber quando vi o papel dela. 

Essas candidaturas que não fazem de fato campanha têm sido alvo de investigação e são chamadas de laranja. O sr. considera nesse caso que ela foi uma candidatura laranja? - De jeito nenhum. Por que eu colocaria candidatura laranja? Eu não posso deixar de botar meu time em campo. Eu vou jogar contra o Corinthians, meu time está todo machucado, eu boto o juvenil pra jogar. Eu vou perder de WO? Meu Deus do céu. Vocês têm que bater no cerne da coisa. É a legislação. Por quê? Pra não dar margem para achismo. Achismo em política é a coisa mais surreal do mundo.

Ela disse que não conseguiu fazer campanha. - Talvez ela tenha se expressado mal. Um partido de absoluta retidão é o nosso. Não há a menor possibilidade de ter nada de errado. Se tiver, no outro dia a cabeça está fora.

Ela teria sido candidata se não houvesse a necessidade de preenchimento de cota? - Tem que colocar 30% de mulheres, certo? O partido que não coloca, ele vai incorrer em uma ilicitude. Vários candidatos masculinos foram cortados, porque tem que ter 30% de mulher.

O sr. considera a regra errada? - Eu considero a regra errada. É isso que eu estou dizendo que vocês têm que bater. Você tem que ir pela vocação, tá certo? Tem que ir pela vocação. Se os homens preferem mais política do que a mulher, tá certo, paciência, é a vocação. Se você fizer uma eleição para bailarinos e colocar uma cota de 50% para homens, você ia perder belíssimas bailarinas, porque a vocação da mulher para bailarina é muito maior do que a de homem. Tem que ser aberto. 

O sr. acha, então, que a questão de gênero é uma questão vocacional? - Eu acho. É uma questão de vocação, querida. Eu não sei na sua casa, se sua mãe gosta tanto de política quanto seu pai. Você tem que gostar porque é jornalista política. Mas se alguém fosse candidato na sua casa, estou aqui fazendo uma ilação, certamente seu pai seria candidato e sua mãe não seria. Ela tem outras preferências. Ela prefere ver o Jornal Nacional e criticar, do que entrar na vida partidária. Não é muito da mulher.

Eu não sou psicólogo, não. Mas eu sei isso. Agora, quando as mulheres entram, elas têm sucesso enorme. E muito bem. Tem a Bia Kicis, que é extraordinária. Tem a Joyce [Hasselmann], que é formidável. Tem a Carla Zambelli, que é formidável, a Aline… Tem mulheres que dão de 10 a zero nos homens, até em mim.

Mas não é a regra geral, tá certo? Você não pode fazer uma lei que submete o homem... Você não pode violentar o homem. Uma reportagem bonita da Folha era entrar no lado psíquico da questão da vocação partidária.

O sr. não acha que é uma discussão ultrapassada essa, de vocação? - Como é? 

Isso não á a mesma coisa que falar que futebol não é para mulher? - Escuta uma coisa. Você vai passar a vida inteira e o time de futebol de mulher jamais vai atrair o público que atrai o futebol masculino. Ou não é? Ou não é? Eu fui presidente do Sport, eu sempre ajudei o feminino. Para arranjar um patrocinador é a coisa mais difícil do mundo. Então, queridinha, olha, a gente tem que estudar a arte humana. Tudo tem um ingrediente, como posso dizer, um ingrediente do estudo da natureza humana, é… é…

Antropológico? - Isso, antropológico. Tudo tem. Você tem que colocar isso em tudo.

Ok, deputado. Ficou faltando saber quem decidiu dar o dinheiro para a candidata. - Quem decidiu foi a [direção] nacional, na época eu não era presidente. Nem da nacional nem no estado. Mas eu acho que a decisão foi para quê? Ela tinha que colocar o número 17. O número 17 foi o mais bem vendido na eleição, alguns estudos mostram que o 17 ficou tão conhecido quanto o 13. 

Por ter sido no seu estado, no seu reduto, onde o sr. mais comanda, o sr. não foi nem consultado sobre o dinheiro dela? - Não fui consultado porque isso é uma besteira. Como eu vou ser consultado de um negócio desses? 

Deputado, então fica faltando a gente achar a gráfica, né? - Peça ao seu repórter, para ele voltar lá. Isso é fácil, né, é o “follow [the] money".

Ela já foi duas ou três vezes lá. - Não, não. É uma gráfica enorme. Foram buscar os papeis lá, tudo direitinho. Entendeu?

Entendi. Mas a gráfica realmente não está lá. - É… peça para o repórter ir lá. Dê o endereço certinho. 

Então, tá certo, deputado, obrigada pela atenção. - Mas olha, eu não tenho nada a ver com esse negócio da Maria de Lourdes, mas eu queria um favor da Folha, fale aí com o editor. Esse caráter antropológico, esse negócio de cota, eu acho um negócio tão sem sentido, mas tão sem sentido, entendeu?

Isso só dá margem a aviltamento. A aviltamento. Entendeu? Entendeu? Não é nem aviltamento, é você pegar o dinheiro e…. No nosso até funcionou muito bem porque qual era o objetivo da nossa campanha? Era o presidente da República. Então, qualquer candidato que distribuísse o número 17, que foi o grande marketing nacional, seria importante. Não importa quem fosse. Tá certo?

Agora, você determinar por lei, que tem que ter cota pra isso, cota pra aquilo, cota para aquilo outro… Com o dinheiro público, tá certo? Todo mundo vai usar o dinheiro público. A gente usou bem o nosso dinheiro público, mas tem gente que vai mal usar. Por que a lei determine que ele use. 

A gente procurou a campanha da candidata de vocês nas redes sociais e etc. e não encontramos. Se o sr. puder me mandar algum material dela, seria importante. O sr. tem? - Você teve algum voto? Ah, tá certo, você também não foi registrada, né? Mas olha, teve gente que teve dois votos. Teve pouco voto. 

Sim, tiveram outros casos. Teve até em Minas Gerais, que a gente fez uma reportagem na semana passada sobre as candidatas do ministro do Turismo que eram laranjas. O sr. até defendeu o ministro, em um carta. - Isso. Alguma parte da imprensa falou em laranja. Sabe o que é laranja? É o cara que não existe. Não existe laranja. O pior se fosse fantasma, se fosse um CPF falso. Vocês têm que bater na essência da coisa. O legislador está errado sobre isso. 

[Ele desliga e depois retorna]

Olha, seu repórter estava certo. Mas o que está certo é o CNPJ, entendeu? Isso tá certo, ok? A gráfica foi lá há muito tempo. E aí a prefeitura demorou a mudar, essa coisa de burocracia. A gráfica fez campanha para o candidato Fernando Monteiro, para outro candidato também, nesse mesmo ano. Está constando atividade. Entendeu?

Mas não entendi, o que o repórter estava certo? - O repórter foi em outro endereço, era dia do gráfico. O pessoal ligou pra ele depois, mas ele não atendeu.

Ela atendeu, sim. Ela foi lá, mas não tinha nada funcionando.- Mas se ele for lá, ele vai ver as máquinas todinhas. Se não tiver máquina, você pode escrever que eu sou um mentiroso amanhã.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.