Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Senador Major Olímpio dá cargo a ex-PM de SP condenado por tortura

Eleito pelo PSL diz que emprego compensa injustiça sofrida por policial que cumpriu pena e foi expulso da corporação

Guilherme Seto Wálter Nunes
São Paulo

O senador Major Olímpio (PSL-SP), que fez carreira na Polícia Militar paulista, nomeou como assessor parlamentar um ex-soldado que foi condenado por tortura, cumpriu pena e acabou expulso da corporação.

O político, aliado do presidente Jair Bolsonaro, afirma que o cargo é também uma maneira de compensar uma "grande injustiça" que, para ele, foi feita contra o ex-PM.

O senador Major Olímpio (PSL-SP), que deu cargo a a ex-policial condenado por tortura como forma de compensar injustiça
O senador Major Olímpio (PSL-SP), que deu cargo a a ex-policial condenado por tortura como forma de compensar injustiça - Simon Plestenjak - 18.jan.2019/UOL

Carlos Alberto Ires de Jesus foi condenado em 2002, após ser acusado de ter torturado duas pessoas em uma base comunitária da PM no Jardim Ranieri, zona sul da capital paulista. Soldado à época, sua pena foi de oito anos e cinco meses de prisão. Ele perdeu o cargo devido ao crime de tortura qualificada e lesões corporais gravíssimas.

Como assessor parlamentar júnior do gabinete de Major Olímpio, cargo para o qual foi nomeado em fevereiro deste ano, Jesus ganha agora salário bruto de R$ 11.471,87 e trabalha no escritório político de São Paulo —segundo o parlamentar, fazendo a interlocução com eleitores.

Entre 2008 e 2012, ele também trabalhou como segurança parlamentar de Olímpio, que tinha mandato como deputado estadual.

Jesus e o tenente da PM Paulo Sérgio dos Santos, condenado a nove anos e oito meses de reclusão, foram acusados de torturar o padeiro Marcelo Costa Pereira, que perdeu a mobilidade do braço esquerdo, e André Ricardo Bispo.

Os então PMs buscavam das vítimas a confissão de que seriam os responsáveis pela morte de um policial militar.

O crime de tortura aconteceu em 10 janeiro de 2000. O tenente Santos comandava o patrulhamento quando o rádio da PM comunicou a prisão de dois jovens armados que poderiam estar envolvidos na morte do PM Marcelo Luciano Kara —assassinado em um assalto dias antes, quando fazia bico de segurança em empresa da região.

A suspeita contra os jovens surgiu, segundo declarou Santos em depoimento, pelo fato de os dois terem sido detidos nas proximidades do local onde Kara fora assassinado.

Em vez do distrito policial, os dois jovens foram levados para o prédio da base comunitária da PM, onde acabaram sendo torturados por horas.

As vítimas receberam socos e pontapés e foram asfixiadas com sacos plásticos de lixo sobre suas cabeças. Marcelo teve ligados aos anéis que usava dois polos de fios elétricos. Os choques geraram queimaduras e fizeram com que a vítima perdesse o dedo anular da mão esquerda.

A Folha telefonou no escritório político de Olímpio, em São Paulo, e foi Jesus quem atendeu a ligação. Questionado sobre sua condenação, ele evitou comentar.

"Eu não gostaria de falar sobre isso, sinceramente. Esta pena, inclusive, foi extinta", disse o assessor. "Eu cumpri [pena], mas tenho documento de extinção da pena. Você precisa ver o contexto do que aconteceu para poder falar sobre isso", disse.

A reportagem questionou sobre o contexto ao qual ele se referia, mas Jesus se recusou a dar detalhes. "Eu não quero contar, desculpa, não é nem questão de ser mal-educado com você. Eu não quero falar sobre isso não. Já foi, já aconteceu, já era."

À Folha o senador Major Olímpio disse que o episódio aconteceu na época em que ele era capitão da Polícia Militar e que Jesus foi vítima de uma "grande injustiça".

As indicações para os cargos públicos, segundo ele, seriam também uma maneira de compensar essas injustiças.

"O Jesus era motorista da guarnição de um tenente que teve essa acusação. Ele foi uma grande vítima de injustiça, cumpriu pena e perdeu a função pública. Fiz questão de ter o Jesus comigo, é de extrema confiança", afirmou o senador do PSL.

"Na oportunidade, acabaram, por identificação de pessoas, identificando o Jesus, e ele nem sequer estava ou adentrou o lugar onde poderia ter acontecido a agressão à pessoa. E até por isso eu faço questão [de tê-lo no gabinete]", completou Olímpio.

"O tempo todo, o que eu puder fazer para reparar uma injustiça daquela natureza, sendo sabedor do que ensejou a situação como um todo, e a capacidade profissional dele, eu vou fazer. Jesus é tão comedido que era colocado como motorista dos oficiais mais novos, pela ponderação e pelo profissional que era e é. É uma pessoa inestimável no meu gabinete", afirmou.

Como assessor, Jesus atende eleitores do senador, especialmente aqueles que são membros de forças policiais. Além disso, acompanha Olímpio em eventos na cidade.

Procurada, a PM informou que não tem um controle sobre policiais condenados por tortura. A corporação também disse não dispor no momento de informações sobre se Jesus foi o primeiro soldado condenado por tortura na corporação e quantos anos de pena ele cumpriu no presídio Romão Gomes.

Colaborou Rogério Pagnan

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.