Descrição de chapéu Governo Bolsonaro Previdência

Na TV, Bolsonaro cita falta de 'tato político' de militares e minimiza críticas

Em entrevista para Luciana Gimenez, presidente disse ter votos suficientes para aprovar reforma da Previdência

São Paulo

Sem citar a disputa com a ala ideológica do governo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) elogiou o trabalho dos militares que escolheu para o alto escalão, exceto pela falta de "tato político" de alguns deles. 

"Tenho total satisfação com eles. Os militares voltaram a ter protagonismo no Brasil. O que falta para alguns deles é tato político, que estão aprendendo", afirmou em entrevista para o programa "Luciana By Night", apresentado por Luciana Gimenez na RedeTV!

Em uma conversa gravada na segunda (6),​ na qual a apresentadora chamou o presidente de "despojado" e o tratou por "você", Bolsonaro minimizou críticas ao seu governo e as atribuiu a determinado segmento da política.

"Grande parte é gente da esquerda que faz para provocar", afirmou Bolsonaro.

​O presidente voltou a afirmar que a reforma da Previdência é a única saída para evitar que o Brasil quebre.

"Não temos alternativa. Não é um projeto meu ou do meu governo. É um projeto do Brasil. O que a população espera de nós é que façamos o dever de casa."

Bolsonaro, no entanto, expressou otimismo disse acreditar que já conta com apoio suficiente no Congresso para aprovação da proposta.

"Hoje em dia acredito que já temos os votos suficientes para aprová-la em plenário. Não digo unanimidade, mas temos mais de 300 parlamentares que estão dispostos, no meu entender, a aderir à nossa causa, porque é para o bem de todo o Brasil". São necessários 308 votos para que a reforma da Previdência seja aprovada pela Câmara.

Na entrevista, Bolsonaro também afirmou que racismo "é coisa rara no Brasil" e negou ser racista. Ele voltou a citar como exemplo uma medalha que ganhou do Exército em 1978 por ter salvo de afogamento um soldado que era negro e havia caído em uma lagoa.

"Se eu fosse racista, o negão cai dentro d'água, eu ia fazer o quê? Na segunda vez que mergulhei consegui trazer o negão do fundo da lagoa, é meu amigo até hoje."

"Racismo é coisa rara no Brasil, tentam o tempo todo jogar negro contra branco, homo contra hétero, pai contra filho. Isso é, desculpa o linguajar de um presidente da República, encher o saco", prosseguiu Bolsonaro.

Ao final da entrevista, que também incluiu amenidades sobre a vida como presidente e de sua família, Bolsonaro retomou o apelo pela reforma da Previdência.

"Precisamos aprovar a reforma da Previdência para que o Brasil saia dessa situação complicada e as próximas gerações possam se aposentar".

Essa foi a segunda aparição especial de Bolsonaro em uma emissora de televisão em menos de uma semana. No domingo (5) foi ao ar a participação do presidente no Programa Silvio Santos (SBT), que havia sido gravado na quinta-feira anterior (2), na qual a reforma da Previdência também foi o principal tema.

Proximidade antiga

Enquanto deputado federal, Bolsonaro era frequentador assíduo dos programas da apresentadora na RedeTV!. “Aqui tudo começou”, disse o agora presidente, em uma dessas participações, logo após a vitória na eleição.

Nesta terça, a apresentadora anunciou em rede social a entrevista com o presidente, no Palácio do Planalto. “Entrevista com o presidente, hoje no Luciana By Night. Obrigada presidente pela recepção e pelo bate-papo."

O anúncio dividiu os seguidores de Luciana, que fizeram comentários em apoio a Bolsonaro e também criticando o espaço dado pela apresentadora ao presidente.

”Então, respeito todas as opiniões, mas esse é meu trabalho, respeitem também", escreveu ela.

Em abril, Luciana esteve entre os convidados para um café da manhã do presidente com jornalistas que ocorreu no Palácio do Planalto.

"Uma honra participar hoje do café da manhã com presidente Jair Bolsonaro e jornalistas. PS: não temos tempo para mimimi, vamos nos unir por um Brasil melhor", escreveu Luciana, também em rede social.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.