Descrição de chapéu

Aprovação da reforma sacramenta momento de derrota da esquerda

Após impeachment e eleições, PT e aliados tinham na Previdência uma trincheira

Igor Gielow
São Paulo

Se vários atores da centro-direita poderão reivindicar os louros pela aprovação de forma esmagadora em primeiro turno da reforma da Previdência, Jair Bolsonaro (PSL) e Rodrigo Maia (DEM) à frente, caberá à esquerda o papel de principal derrotada no conflituoso processo.

Deputados de oposição vestem camisetas contra a reforma durante a discussão da reforma
Deputados de oposição vestem camisetas contra a reforma durante a discussão da reforma - André Coelho/Folhapress

É claro que o texto ainda pode ser bastante mexido, com propostas inclusive do conflituoso partido do presidente, e o parlamentarismo branco que se insinua mais forte é um problema sério para Bolsonaro. Mas, ao fim do dia, ele estava no campo dos vitoriosos.

A aprovação é uma espécie de terceiro turno perdido para o campo liderado pelo PT. Como nas ocasiões anteriores, o fracasso poderia ensejar reflexões e modulações de discurso; até aqui, o que houve foi a repetição de padrões que não mais funcionam.

Recapitulando, o ocaso da esquerda brasileira teve pelo menos dois episódios centrais anteriores. O impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016, após a debacle econômica promovida pela presidente e a saraivada da Lava Jato sobre o que sobrou do edifício ético petista, foi essencialmente desestabilizador.

Na sequência, o impacto eleitoral: em 2016, com a perda de bastiões importantes como a cidade de São Paulo no pleito municipal, e em 2018, com a ascensão de Bolsonaro (PSL) à Presidência. Tudo temperado pela prisão de Luiz Inácio Lula da Silva, líder petista que arrastou toda a estratégia da esquerda para dentro de sua cela a partir do ano passado.

A agenda sempre foi regressiva. "Fora Temer", "Eleição sem Lula é fraude", "Ele não", "Ele nunca". Nada exatamente propositivo, o que se refletiu na derrota seguinte.

Uma vez instalado Bolsonaro e sua balbúrida governamental em janeiro deste ano, o Planalto viveu de uma única agenda estruturada: aprovar a reforma. A esquerda, entre perplexa e raivosa, não conseguiu fazer muito mais do que reagir com o fígado a cada agenda comportamental proposta pelo bolsonarismo.

Ao longo dos anos, e estavam aí os remendos aprovados por Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Lula para provar, a Previdência era uma bem-sucedida cláusula pétrea no discurso esquerdista. Até hoje, mesmo quando economistas insuspeitos como Nelson Barbosa defendem a necessidade de abordar a questão, o tom geral é o do obscurantismo: "Não há rombo!", "Taxem as heranças!" etc.

Algo sucedeu no debate público que a esquerda não percebeu, e não foi só a eleição de Bolsonaro. A percepção do problema previdenciário mudou. Em abril de 2017, quando estava para ser avaliada a bem mais dura socialmente reforma proposta por Michel Temer (MDB), 71% dos brasileiros eram contra a ideia, segundo o Datafolha.

O projeto agora é outro, mais diluído, mas parece bastante improvável que o brasileiro saiba isso em minúcias a ponto de mudar de opinião. Ainda assim, em abril deste ano a taxa dos contrários era de 51%. Três meses depois, agora, 44%, empatada tecnicamente com a aprovação agora de 47%.

A área de comunicação do governo dirá que foram eles que explicaram as vantagens do projeto atual. Os bolsonaristas dirão que foram as redes sociais e seu poder de convencimento. A esquerda, que foi um conluio da grande mídia.

Seja lá quem tiver a razão, o fato é que essa conscientização do abismo fiscal à frente em termos simples (vai faltar gaze no hospital etc.) parece ter colado e, assim, desanuviou o clima entre congressistas. Como se sabe, deputado morre de medo de matéria impopular, ainda mais com eleições municipais no ano que vem. Desta vez, e por enquanto, algo mudou. E a esquerda perdeu mais essa bandeira.

Com efeito, o real risco à aprovação não veio dela, que era voto minoritário contado. Veio do centrão, da massa amorfa de deputados que aproveitaram para tirar a casquinha de sempre. Não foi nada casual a liberação de oportunidade de verbas para emendas parlamentares antes do voto.

Bolsonaro pode lembrar que orçamento é impositivo, mas o ritmo de liberação é dele e foi usado com propósito claro, como candidamente admitiu seu ministro da Saúde.

Naturalmente, a esquerda pode sempre contar com um fenômeno análogo ao ocorrido na Rússia em 2018. Lá, o governo Vladimir Putin também alterou a idade mínima das aposentadorias, meio que na surdina, no começo da Copa do Mundo. Como Parlamento lá serve é um cartório do Kremlin, a lei passou sem grandes discussões.

Começaram os protestos, e a popularidade enorme de Putin, na casa dos 80%, caiu para grandes, mas desconfortáveis para padrões locais, 60%. Até hoje o presidente não se recuperou do tombo, ainda que tenha atenuado aspectos da reforma. Mas a comparação para por aqui, por questões históricas óbvias, contextos econômicos distintos e pelo grau de transparência do debate público.

Também é possível para PT e aliados torcerem por um engasgo maior na economia ou crises de outras naturezas, mas aí a matéria-prima é o imponderável.

À esquerda local restará juntar os cacos retóricos e tentar descobrir o que vender para o eleitor em 2020, que está na esquina. A acusação de que direitos foram usurpados, que pode até ter alguma ressonância apesar da ausência de contraponto propositivo, tende a cair na vala comum do “Foi golpe!”, “Lula livre!” e outras bandeiras desgastadas fora deste nicho específico.

 
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.