'Você está falando da tua mãe?', responde Bolsonaro sobre contratos de chefe da Secom

Presidente fez ataques à Folha ao ser questionado sobre Wajngarten, cuja empresa recebe dinheiro de emissoras contratadas pelo governo

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro respondeu mais uma vez com agressividade ao ser questionado pela Folha sobre a revelação de que o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), Fabio Wajngarten, possui uma empresa que recebe dinheiro de emissoras e agências de publicidade contratadas pelo governo.

"Você está falando da tua mãe?", reagiu Bolsonaro ao responder se tinha conhecimento dos contratos assinados pela FW Comunicação e Marketing, da qual Wajngarten tem 95% das cotas.

O presidente Jair Bolsonaro durante entrevista a jornalistas na manhã desta quinta (16)
O presidente Jair Bolsonaro durante entrevista a jornalistas na manhã desta quinta (16) - Lucio Távora/Xinhua

A declaração foi feita no início da noite desta quinta-feira (16), ao chegar ao Palácio da Alvorada.

A reportagem perguntou: "O senhor sabia dos contratos do Fabio, presidente?".

"Está falando da tua mãe? Você está falando da tua mãe?", disse Bolsonaro. "Não, estou falando do secretário de Comunicação, do Fabio Wajngarten", respondeu a Folha.

Nesta quarta (15), reportagem revelou que Wajngarten recebe, por meio de uma empresa da qual é sócio, dinheiro de emissoras televisivas e de agências de publicidade contratadas pela própria secretaria, ministérios e estatais do governo Bolsonaro. 

A Secom é a responsável pela distribuição da verba de propaganda do Planalto e também por ditar as regras para as contas dos demais órgãos federais. No ano passado, gastou R$ 197 milhões em campanhas.

Fabio Wajngarten, chefe da Secom, e Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio da Alvorada, em Brasília - Ueslei Marcelino/Reuters - 19.nov.19

Wajngarten assumiu o comando da pasta em abril de 2019. Desde então, se mantém como principal sócio da FW, que oferece ao mercado um serviço conhecido como Controle da Concorrência.

Pela manhã, Bolsonaro afirmou que Wajngarten permanecerá no cargo. "Se foi ilegal a gente vê lá frente. Mas, pelo que vi até agora, está tudo legal, vai continuar. Excelente profissional. Se fosse um porcaria, igual alguns que tem por ai, ninguém estaria criticando ele", disse.

Bolsonaro se recusou a responder questionamentos feitos pela Folha e disse que o jornal não tem moral para fazer perguntas. 

"Fora, Folha de S.Paulo, você não tem moral para perguntar, não", afirmou, pedindo que outros repórteres fizessem perguntas. "Cala a boca", disse, destratando e desrespeitando a repórter da Folha.

À tarde, durante cerimônia da Operação Acolhida no Planalto, responsável por cuidar de refugiados venezuelanos no Brasil, o presidente fez críticas à imprensa em uma fala inflamada.

Bolsonaro disse que a imprensa "tem medo da verdade". "Deturpam o tempo todo e quando não conseguem deturpar, mentem descaradamente. Esse é o livro dessa japonesa que eu não sei o que faz no Brasil, que faz agora contra o governo", afirmou.

O presidente se referia ao livro "Tormenta", escrito pela jornalista Thaís Oyama —que é brasileira— e que será lançado neste mês pela Companhia das Letras.

A obra trata do primeiro ano do governo Bolsonaro. Oyama esmiúça os jogos de poder nos bastidores, repletos de intrigas.

"Esta imprensa, não tomarei nenhuma medida para censurá-los, (gritando, sob aplausos) mas tomem vergonha na cara. Deixem nosso governo em paz para poder levar paz e harmonia para nosso povo. Se tenho coragem de fazer isso agora é porque eu tenho consciência do que acontece com o governo", disse.
Ao final de sua fala, Bolsonaro pediu desculpas pelo "desabafo", mas disse se tratar de um "discurso do coração".

Pouco depois, ao chegar no Alvorada, ele declarou: "Peguem meu discurso que eu falei para a imprensa agora no Palácio [do Planalto], para toda a mídia. Não vou responder. Já dei o recado para todo mundo. Eu gosto de vocês, mas os editores-chefes dos senhores...".

Sobre os ataques de Bolsonaro, a Folha divulgou a seguinte nota: "O presidente volta a atacar a Folha sem explicar os conflitos de interesse de seu assessor revelados em reportagem. Continuaremos a praticar um jornalismo técnico, crítico e apartidário em relação a seu governo, como fizemos com todas as administrações anteriores”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.