Apresentadoras e comentaristas criticam ataque de Bolsonaro a repórter da Folha

Nas redes e na imprensa, mulheres reagem após insulto do presidente contra Patrícia Campo Mello

São Paulo

Comentaristas e apresentadoras da GloboNews e da TV Globo, além de um coletivo de mulheres, manifestaram-se sobre o insulto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com insinuações sexuais, contra a repórter Patrícia Campos Mello, da Folha.

"Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo [risos dele e dos demais]", disse o presidente, em entrevista diante de um grupo de simpatizantes em frente ao Palácio da Alvorada. Após uma pausa durante os risos, Bolsonaro concluiu: "a qualquer preço contra mim".

A declaração do presidente foi uma referência à CPMI das Fake News no Congresso na última semana. Em depoimento prestado à comissão parlamentar de inquérito, Hans River do Rio Nascimento, um ex-funcionário de uma agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp, mentiu e insultou a repórter.

Sem apresentar provas, ele afirmou que a jornalista queria “um determinado tipo de matéria a troco de sexo”, declaração repercutida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) nas redes sociais.

O grupo 342 Artes, criado pela produtora Paula Lavigne, também publicou vídeo com a participação de artistas, influenciadoras e outras mulheres do setor cultural repudiando a fala. "Não iremos tolerar mais ataques à liberdade de imprensa e à democracia", afirmou o movimento.

As atrizes Cláudia Abreu, Alinne Moraes, Julia Lemmertz, Débora Nascimento e Sophie Charlotte, as apresentadoras Fernanda Lima e Astrid Fontenelle e a cantora Zélia Duncan estão entre as que aparecem na gravação. Elas pedem mais respeito às mulheres.

"Os brasileiros se sentem bem com tanta grosseria?", diz Julia no vídeo. "Apoiamos Patrícia Campos Mello e todas as mulheres que foram ofendidas por ele [Bolsonaro]", acrescenta Débora.

Abaixo, as manifestações das mulheres jornalistas.

 

"A Patrícia Campos Mello é uma jornalista séria, que cobriu diversas guerras, a guerra da Síria, a guerra do Afeganistão, cobriu o ebola. Tentam, dessa maneira, ofender, atingir a reputação dela. E atingem não só a reputação dela, como a de todos os jornalistas e das mulheres —principalmente das mulheres— quando se faz essa piada de cunho sexual baixa. (...)

Quando a gente trouxe informações sobre compra de votos no governo Fernando Henrique, sobre o mensalão no governo do PT, sobre o caso JBS no governo Temer, o jornalismo também foi atacado pelos outros governos. O que a gente viu ontem, a diferença, é o limite desse ataque, a fronteira que se vai. A fronteira da civilidade, que ontem foi rompida pela Presidência da República."
Julia Duailibi, no GloboNews Em Ponto (19.fev)

"O presidente parece desconhecer o papel do jornalismo profissional. Ele faz um ataque a uma jornalista que está fazendo o seu trabalho, uma jornalista premiada no Brasil e no exterior. Com a pausa que ele faz, quando a gente ouve a fala dele, ele ataca todas as mulheres (...)."
Ana Flor no Estudio i (18.fev)

"Quando o presidente se vale de uma mentira, de uma calúnia para usar essa informação contra uma jornalista, a coisa fica séria. Quando se trata de uma insinuação sexual de que essa jornalista teria trocado sexo por informação, é muito pior. (...)

Não é uma ofensa só à jornalista Patrícia Campos Mello, não é uma ofensa só ao jornalismo de forma geral. É uma ofensa a todas aquelas pessoas que não perderam a capacidade de se colocar no lugar do outro."
Natuza Nery, no Jornal GloboNews edição das 16 (18.fev)

"Um presidente da República não pode levantar uma insinuação dessa gravidade. Ele não pode acusar uma pessoa sem prova. Ele não pode usar o espaço e o poder que tem para agredir pessoas, grupos sociais, instituições diariamente, como ele tem feito. No caso da jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, o presidente Bolsonaro pode não gostar da reportagem, pode responder à informação —que, eventualmente, considere errada— com outras informações. Mas ele não pode ofender a repórter fazendo uma insinuação sexual. Porque isso é machismo, é indigno, é difamação. E difamar é crime. (...)

Quando ele quebra a dignidade da Presidência da República, ele está desmoralizando a própria democracia. O risco, nesse caso, é muito maior. É de abalar a preciosa democracia brasileira."
Miriam Leitão, no Bom Dia Brasil (19.fev) 

"Como jornalista e mulher eu não posso deixar de dizer que o meu sentimento é o das minhas colegas e o dos meus colegas: profunda indignação. E isso não tem nada a ver com política. Tem a ver com a dignidade das pessoas que todos nós temos que respeitar, a começar pelo presidente que, por suas palavras, parece se eximir dessa obrigação tão básica."
Renata Lo Prete, no Jornal da Globo (19.fev)

"Querida Patrícia, você tem sido alvo de uma campanha misógina, sexista e difamatória que tenta desqualificar o seu trabalho de forma covarde.

Como um coletivo suprapartidário que representa mais de 37 mil mulheres, gostaríamos de reafirmar nossas ações pela igualdade entre gêneros e raças, o respeito às diferenças e a liberdade de imprensa. Sigamos juntas pela voz da mulher brasileira, pois a sociedade ganha como um todo."
Grupo Mulheres do Brasil em carta aberta à Patrícia Campos Mello (19.fev)

"A Fundação Padre Anchieta – Rádio e TV Cultura vem a público reafirmar seu apoio à jornalista Patrícia Campos Mello, sua colaboradora, diante da repetição dos ataques abjetos de que tem sido vítima nos últimos dias. Certamente as investidas são diretamente proporcionais à qualidade do trabalho que fez dela a jornalista mais premiada de sua geração, apontada como Personalidade do Ano de 2018 pela mais importante revista semanal do planeta, Time, exatamente como vítima de ameaças que são dirigidas a ela, mas também ao jornalismo e à democracia no Brasil.

É uma pena que a agressão mais recente, de conotação sexual, tenha sido desferida pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, que assim desrespeita o cargo que exerce."
Fundação Padre Anchieta (19.fev)

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.