Descrição de chapéu Coronavírus

Após proibição da Justiça, governo apaga mensagens de campanha anticonfinamento

Gestão Bolsonaro exclui postagens e diz que peça oficial 'O Brasil não pode parar' não existe

Brasília

O governo apagou postagens com mensagens da campanha "O Brasil não pode parar" de suas contas oficiais nas redes sociais após proibição da Justiça Federal no Rio de Janeiro.

A juíza Laura Bastos Carvalho decidiu neste sábado (28) que a União se abstenha de veicular peças publicitárias relativas à campanha "O Brasil não pode parar", defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e contrária a medidas de confinamento adotadas no país em meio à pandemia do coronavírus.

Imagem da página do instagram com campanha do governo Bolsonaro contra o recolhimento como medida de combate ao coronavírus
Campanha do governo Bolsonaro contra o recolhimento como medida de combate ao coronavírus - Divulgação

A reportagem verificou que postagens feitas nos últimos dias com a hashtag #OBrasilNãoPodeParar foram removidas pelo menos de dois perfis oficiais do governo, como a conta no Twitter SecomVC e, no Instagram, Governo do Brasil.

No Instagram havia a publicação de uma imagem com o slogan da campanha escrito e um texto com a seguinte mensagem: "No mundo todo, são raros os casos de vítimas fatais do #coronavírus entre jovens e adultos. A quase-totalidade dos óbitos se deu com idosos".

Mais adiante, a mensagem diz que o isolamento era recomendado para idosos e, para os demais, deveria haver atenção redobrada.

A decisão judicial impede a divulgação da campanha por rádio, TV, jornais, revistas, sites ou qualquer outro meio, físico ou digital.

Procurada, a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) disse que não comentaria o apagamento dos posts.

Mais cedo, a Secom havia divulgado uma segunda nota reiterando que "definitivamente, não existe qualquer campanha publicitária ou peça oficial da Secom intitulada 'O Brasil não pode parar'. Trata-se uma mentira, uma fake news divulgada por determinados veículos de comunicação", diz a nota.

Após repercussão negativa de um vídeo com a mensagem "O Brasil não pode parar", o Palácio do Planalto negou a existência de uma campanha com esse slogan, embora mantivesse em perfis oficiais algumas publicações com o mote.

As redes bolsonaristas propagaram um vídeo entre a noite de quinta (26) e sexta-feira (27) em que categorias como a dos autônomos e mesmo a dos profissionais da saúde são mostradas como desejosas de voltar ao regime normal de trabalho.

"O Brasil não pode parar", encerra cada trecho do vídeo, inclusive para os "brasileiros contaminados pelo coronavírus".

O primogênito do clã bolsonarista, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido - RJ), foi o responsável por dar o chute inicial desta etapa da campanha #BrasilNaoPodeParar, em postagem no Facebook na noite de quinta. ​

O vídeo gerou críticas e uma resposta da Secom que negava a intenção de que o vídeo fosse usado oficialmente.

Nos bastidores, assessores palacianos confirmaram que a mensagem foi espalhada para inflar a militância em apoio ao presidente, que vinha sendo alvo de panelaços diários na última semana.

A liminar da Justiça do Rio foi concedida a pedido do Ministério Público Federal.

A decisão diz ainda que o governo não deve publicar qualquer outra campanha que sugira à população brasileira comportamentos que não estejam estritamente embasados com diretrizes técnicas.

A AGU (Advocacia-Geral da União) disse que aguarda ser intimada da decisão e solicitará subsídios dos órgãos envolvidos. "A AGU irá apresentará em juízo todos os esclarecimentos necessários à elucidação da questão."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.