Descrição de chapéu Coronavírus

Após Mandetta defender isolamento, Bolsonaro faz giro por comércio em Brasília

'Defendo que você trabalhe. Lógico, quem é de idade fica em casa', disse o presidente a comerciante

Brasília

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) saiu de carro na manhã deste domingo (29) de sua residência oficial, o Palácio da Alvorada, para visitar pontos de comércio local e o Hospital das Forças Armadas (HFA).

A visita de Bolsonaro gerou aglomeração de pessoas no momento em que a OMS (Organização Mundial da Saúde) e o próprio Ministério da Saúde recomendam isolamento social para evitar o contágio do novo coronavírus, que já matou 114 pessoas no Brasil.

O comboio presidencial passou por pontos de comércio na Asa Norte e no Sudoeste, além de Ceilândia e Taguatinga (cidades-satélites de Brasília). Bolsonaro falou com funcionários de supermercados e padarias e com vendedores autônomos.

Bolsonaro faz giro por comércio de Brasília no último domingo (29)
Bolsonaro faz giro por comércio de Brasília no último domingo (29) - Folhapress

Em um dos momentos, foi ao HFA. Questionado diversas vezes sobre o motivo da visita ao hospital, preferiu não responder. Mais tarde, quando ouviu novamente a pergunta em frente ao Palácio da Alvorada, afirmou que queria ver o fluxo de pessoas por lá.

Em Ceilândia, Bolsonaro conversou com vendedores como um assador de churrasco em espetinhos e defendeu sua visão de o comércio ficar aberto. “Eu defendo que você trabalhe, que todo mundo trabalhe. Lógico, quem é de idade fica em casa”, afirmou o presidente. “Às vezes, o remédio demais vira veneno", disse em referência à restrição de circulação e os reflexos para a economia.

“A gente tem que trabalhar”, disse o vendedor sob o olhar do presidente e seus seguranças. “A morte está aí, mas seja o que Deus quiser. Só não pode ficar é parado, com medo de morrer. Se não morrer de doença, morre de fome. Eu prefiro morrer de nenhum jeito”, disse o comerciante. “Não vai morrer, não. Para alguns, realmente... é complicado”, disse o presidente.

Enquanto se movia de um ponto a outro, Bolsonaro ouviu manifestações como “mito” e “estamos juntos” e posou para fotos com pessoas. Após uma mulher pedir a reabertura de templos, falou que vai recorrer da decisão da Justiça que barrou na semana passada os efeitos de seu decreto que liberava igrejas e casas lotéricas de funcionar.

Ele também ouviu manifestações críticas, como as falas de duas pessoas quando ele se preparava para entrar no carro e ir embora.

Uma voz masculina fala em favor do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. “Presidente, confia no Mandetta, ele é o cara”, disse um homem. Em seguida, uma mulher defendeu o isolamento. “Isolamento para nós, hein? Isolamento. Sem isolamento a gente não se cuida”, afirmou.

Quando Bolsonaro parou em frente a uma banca de verduras, chamando a atenção e paralisando as atividades, uma cliente ao lado do presidente chegou a reclamar que estava esperando o troco. Outra pessoa falou para o presidente comprar comida para ela.

“Estou rodando por aí. Vou ouvir alguma coisa, contra ou a favor. Sugestões também”, disse o presidente. Bolsonaro evitou cumprimentar pessoas com apertos de mão, conforme recomendam as autoridades de saúde.

Ao ser questionado se o ato não contrariava a orientação do Ministério da Saúde, Bolsonaro perguntou ao jornalista o que ele estaria fazendo ali. O repórter respondeu que estava trabalhando e o presidente falou que ele também. O jornalismo é considerado uma atividade essencial durante o estado de calamidade, conforme decreto do próprio governo.

“Estou perguntando o que eles acham de trabalhar ou não, se estão com medo do vírus ou não. Colhendo o sentimento da população. O desemprego tem apavorado as pessoas. Pessoas humildes, de Ceilândia e Taguatinga. Essas pessoas não têm mais o que comer em casa”, afirmou Bolsonaro.

Novamente quesitonado sobre Mandetta, Bolsonaro falou que não iria desautorizar o ministro mas defendeu a flexibilização das medidas de restrição. “Não vou desautorizar quem quer que seja. Esse isolamento horizontal, se continuar assim, lá na frente [haverá] uma brutal quantidade de desemprego e teremos um problema seríssimo que vai levar anos para ser resolvido. Essas pessoas humildes que perdem o emprego não conseguem mais”, disse o presidente.

Para ele, o contágio virá de qualquer forma e que o trabalho de contenção serviria para postergar a infecção das pessoas. “Essa luta toda não é para evitar contágio e infecção, porque ela virá. É para diminuir a onda. Você, por exemplo, em vez de ser infectado hoje, que o seja amanhã ou daqui a 15 dias, esse é o trabalho”, disse.

Ele disse ainda que o país só ficará imune quanto a maioria da população for infectada. “A crise infelizmente virá. O pais só fica isento, imune, depois que 60% ou 70% forem infectados. Até porque não tem vacina para tal”, afirmou.

O presidente voltou a falar da hidroxicloroquina, que tem sido usado em fase de testes para o tratamento do novo coronavírus, e disse que “graças a Deus o remédio está aí”.

O giro de Bolsonaro ocorre um dia após Mandett ter reforçado a importância do distanciamento social à população nesta etapa da pandemia do coronavírus.

Ele criticou, por exemplo, as carreatas, impulsionadas por discurso do próprio presidente, que pedem a retomada da rotina em alguns estados —em São Paulo, uma delas passou pelo centro da cidade na manhã deste domingo, sendo recebida com panelaços em alguns prédios e gritos de "Fora, Bolsonaro".

Salvador também teve carreata na manhã deste domingo (29). O grupo de manifestantes pedia a volta do funcionamento do comércio e o fim do isolamento social.

O buzinaço durou cerca de duas horas. Partiu da Boca do Rio, passou pela orla e por locais como a avenida Manoel Dias da Silva e seguiu em direção ao Farol da Barra, onde os participantes encerraram o ato no início da tarde.

Outro ato foi realizado ainda no sábado (28), em Caruaru (PE), que teve buzinaço pelas principais ruas da cidade.Assim como em Salvador, os manifestantes pediram o fim das medidas estipuladas pela quarentena.Os atos são contrários às recomendações feitas pelas autoridades de saúde, que defendem o isolamento social como medida para evitar a rápida propagação do novo coronavírus.

Carros enfileirados na av. Paulista - um motoqueiro passa com a bandeira do brasil
Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro fizeram carreata na avenida Paulista pedindo a reabertura do comércio e empresas, na manhã deste domingo, 29. A carreata promoveu um grande buzinaço contra o governador João Dória (PSDB) e a quarentena - Fábio Vieira/FotoRua/Agência O Globo

Pernambuco tinha, até este sábado, cinco mortes em decorrência da Covid-19 e 73 casos confirmados.

Mas, assim como neste sábado carreatas já tinham sido vetadas pela Justiça ou por decretos em dois estados (Amazonas e Pará) e em Ribeirão Preto, neste domingo foi a vez de a Prefeitura de São Pedro (SP) obter liminar para proibir realização de carreata que pediria o retorno das atividades comerciais na cidade.

O pedido foi feito pela administração para evitar a aglomeração de pessoas e, na decisão, o juiz Mauro Antonini determina que a Polícia Militar prestasse apoio para impedir eventual reunião de manifestantes, “que viola as normas sanitárias em vigor”.

No sábado, em entrevista coletiva, o ministro Luiz Henrique Mandetta, defendeu o isolamento social como forma de evitar a propagação do vírus e criticou a defesa das manifestações em favor da abertura do comércio.

“Ainda não dá para falar: 'Libera todo mundo para sair', porque a gente não está conseguindo chegar com o equipamento 'just in time' [na hora certa], como a gente precisa”, afirmou o ministro.

“Essa doença entrou pela elite econômica. Aqui, em Brasília os casos são quase todos no Plano Piloto e no Lago Sul. Não chegou a Samambaia [cidade satélite], não chegou na periferia”, disse o ministro.

O ministro disse ainda que é hora de poupar o sistema de saúde “seja pelo o que for” e que pandemia vai atingir a todos.

“Se sair andando todo mundo de uma vez, vai faltar [atendimento] para rico e pobre”, completou.​

Mandetta também criticou as manifestações pela reabertura de empresas e de estabelecimentos comerciais, desencadeadas pelo pronunciamento em que Bolsonaro defendeu a ideia.

"Fazer movimento assimétrico de efeito manada agora, nós vamos daqui a duas, três semanas, os mesmos que falam 'vamos fazer carreata" de apoio. Os mesmos que fizerem vão ser os mesmos que vão ficar em casa. Não é hora, agora", declarou.

Na coletiva, o ministro criticou ainda quem vai as redes sociais atacar medidas da pasta para agradar seus seguidores.

“Aqueles que têm todo o direito, todas as concepções de todos os planos, que fazem leitura, que são especialistas, colaborem com o Ministério da Saúde. Muitas vezes uma colaboração que é mandada por email para o COE (Comitê de Operações de Emergência) a gente dar muito mais valor, mas muito mais valor, do que aqueles que fazem vídeos para cinco minutos de glória nos seus canais”, disse Mandetta no sábado.

O presidente tem defendido a abertura do comércio como forma de evitar a crise econômica durante o combate ao coronavírus, em oposição ao que vem fazendo a maioria dos governadores e ao que recomendam autoridades sanitárias.

Por ordem do governo do Distrito Federal, apenas serviços essenciais estão funcionando na cidade.

Desde o início da crise mundial do coronavírus, Bolsonaro tem dado declarações nas quais busca minimizar os impactos da pandemia e, ao mesmo, trata como exageradas algumas medidas que estão sendo tomadas no exterior e por governadores de estado no país.

Nos protestos de 15 de março, por exemplo, Bolsonaro desrespeitou recomendações do Ministério da Saúde e cumprimentou apoiadores. "Se eu resolvi apertar a mão do povo, desculpe aqui, eu não convoquei o povo para ir às ruas, isso é um direito meu. Afinal de contas, eu vim do povo. Eu venho do povo brasileiro."

Depois, em pronunciamento em cadeia de rádio e TV, falou em "gripezinha ou resfriadinho".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.