Pedido de cassação de Flávio Bolsonaro está parado há 4 meses no Conselho de Ética do Senado

Presidente do colegiado, que se reuniu em apenas um dia da atual legislatura, diz que 'precisa de análise melhor'

Brasília

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Jayme Campos (DEM-MT), afirmou que o pedido de cassação do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) precisa de uma "análise melhor" antes de ser aceito.

O filho 01 do presidente Jair Bolsonaro acumula duas representações feitas no colegiado, ambas pedindo a cassação do mandato. A primeira, de fevereiro, feita pela Rede, foi incorporada a uma segunda, de maio, protocolada por PSOL e PT.

Esta última foi feita após a Folha publicar entrevista com o suplente de Flávio, o empresário Paulo Marinho.

O ex-aliado da família Bolsonaro disse que o senador foi informado com antecedência, em outubro de 2018, sobre a deflagração de uma operação da Polícia Federal na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, onde Flávio exerceu mandato de deputado estadual até janeiro de 2018.

"Eu li, preliminarmente, a denúncia feita pelos partidos contra o Flávio Bolsonaro e considero que ela está bem apurada, mas precisa de uma avaliação melhor", afirmou Jayme Campos à Folha nesta quinta-feira (18). "Estou aguardando o parecer [da advocacia do Senado]."

No pedido, os partidos afirmam que a cassação do mandato do senador é necessária por sua ligação “forte e longeva” com as milícias no Rio de Janeiro e apontam quebra de decoro parlamentar.

Nesta quinta-feira, o Ministério Público do Rio prendeu o ex-assessor do senador, Fabrício Queiroz, num imóvel ligado ao advogado Frederick Wassef, que representa Flávio e seu pai, o presidente Jair Bolsonaro.

A prisão de Queiroz na casa do defensor levou a Rede a pedir urgência na abertura do processo de cassação de Flávio.

Desde fevereiro, quando o primeiro pedido contra Flávio Bolsonaro foi feito, Campos pediu à Advocacia da Casa um posicionamento sobre a admissibilidade. Em maio, quando foi protocolado o segundo, ele reforçou a solicitação.

“Não é para mim que precisam cobrar. É para a advocacia do Senado. São eles que precisam falar”, disse o presidente do Conselho de Ética.

Ele rechaçou indiretas que vem recebendo dos partidos de oposição de que, por ser próximo ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), poderia beneficiar o filho de Bolsonaro com a inércia do conselho.

Nos últimos meses, Alcolumbre tem estado próximo ao governo, especialmente na articulação para distensionar a relação entre os Poderes.

"Os partidos podem ficar tranquilos que vou fazer o que está na lei", afirmou Campos.

Nesta sexta-feira (19), a Folha voltou ao senador para saber se havia avançado o caso de Flávio no setor jurídico do Senado. "Hoje é sexta-feira. Se não teve nada na semana, hoje que não vai ter", respondeu.

Por meio da assessoria, a Advocacia-Geral do Senado informou que não há prazo para que a análise seja realizada. A Casa disse que o aditamento das representações foi o motivo pelo qual “o processo ainda está sendo analisado”.

“Isso é um absurdo. Em cinco dias, no máximo, essa análise tinha de ter ocorrido. Precisamos que o presidente do conselho tome um posicionamento rápido sobre isso”, cobrou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos autores da representação.

Na atual legislatura, o Conselho de Ética só se reuniu no dia 25 de setembro do ano passado, quando foi feita a posse do colegiado. Dos 15 cargos de suplentes, o único que não foi preenchido é do Republicanos, partido de Flávio Bolsonaro.

O senador é investigado desde janeiro de 2018 sob a suspeita de recolher parte do salário de seus subordinados, prática conhecida como "rachadinha", na Assembleia Legislativa do Rio de 2007 a 2018.

Os crimes em apuração são de peculato, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e organização criminosa.

Flávio nega desde o fim de 2018 que tenha praticado "rachadinha" em seu gabinete. Ele afirma que não é responsável pela movimentação financeira de seu ex-assessor.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.