Compartilhe no WhatsApp mensagem sobre o que foi a ditadura militar

Especial da Folha mostra como regime reprimiu, censurou e fomentou a corrupção

São Paulo

Mais de 70% dos brasileiros não eram nascidos ou eram crianças quando acabou a ditadura militar. Por isso, muita desinformação sobre o regime circula nas redes sociais. Para mostrar a esse público os horrores praticados pelo autoritarismo, a Folha preparou uma mensagem para ser encaminhada pelo WhatsApp com informações sobre o período retiradas do especial "O que Foi a Ditadura", produzido pelo jornal. Copie, cole e compartilhe o texto a seguir!

O QUE FOI A DITADURA
A ditadura brasileira terminou há 35 anos, mas alguns de seus efeitos perduram até hoje. Ao contrário do que você costuma ler na internet, houve, sim, corrupção.
Empreiteiras se agigantaram durante o regime militar e acabariam protagonizando escândalos nas décadas seguintes.
O “milagre econômico” teve momentos de crescimento recorde e legou grandes obras ao país, mas aprofundou a desigualdade e avançou sobre a Amazônia, contribuindo para os altos índices de desmatamento que vemos atualmente.
A repressão violenta à oposição gerou uma cultura nas forças de segurança pública que se traduziu em esquadrões da morte, milícias e alta letalidade policial.
A ditadura, além disso, castrou a independência do Congresso e do Legislativo, impediu a soberania popular exercida pelo voto para presidente e censurou toda uma geração na cultura e na imprensa. Nada, afinal, podia atrapalhar a imagem ufanista do Brasil Grande.
É este retrato que o projeto O que Foi a Ditadura, da Folha, pretende apresentar, sobretudo para os 70% de brasileiros que não haviam nascido, ou eram crianças, quando a redemocratização finalmente chegou, em 1985.
Leia o especial e compartilhe essa mensagem:
https://www1.folha.uol.com.br/poder/o-que-foi-a-ditadura/?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=oquefoiaditadura​

Frames da campanha "um jornal a serviço da democracia". Credito:TV Folha - TV Folha
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.