Descrição de chapéu Eleições 2020

Aos 26 anos, eleito do PSL em reduto petista tem apoio de ministro denunciado e bênção de Luciano Hang

Gustavo Nunes venceu eleição em Ipatinga (MG) contra clãs políticos locais e teve pedido de voto de Bolsonaro

São Paulo

"Alô, meu presidente. Agradeço imensamente o seu apoio e pode ter certeza que nós não vamos decepcionar o senhor", disse o vereador Gustavo Nunes (PSL), 26, em um vídeo no qual reagia ao apoio de Jair Bolsonaro (sem partido) à sua candidatura à Prefeitura de Ipatinga, no Vale do Aço de Minas Gerais.

Bolsonaro havia pedido voto em Gustavo e em outros candidatos numa de suas transmissões ao vivo nas redes sociais, no início de novembro.

"Quem acredita em mim, eu peço que acredite nos candidatos desses municípios", afirmou o presidente. "Por exemplo, Ipatinga. Tem um garoto lá... Gustavo Nunes, [número] 17, está no PSL. Se puder votar nele, agradeço."

Com o apoio de Bolsonaro, a campanha mais cara da cidade e com um forte discurso anticorrupção, Gustavo Nunes foi eleito com 40% dos votos válidos no município mineiro de 265 mil habitantes.

O prefeito eleito de Ipatinga, Gustavo Nunes (PSL), ao lado do ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo)
O prefeito eleito de Ipatinga pelo PSL, Gustavo Nunes (segundo, da esq. para a dir.), ao lado do ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo). Eles seguram uma camisa do Ipatinga Futebol Clube - @gustavonunesipatinga no Instagram

Foi uma das principais vitórias no país do PSL, partido que abrigou Bolsonaro em sua campanha à Presidência da República em 2018, mas não conseguiu eleger nenhum prefeito neste ano em cidades com mais de 200 mil eleitores —aptas a terem segundo turno.

Ipatinga, cuja eleição ainda é definida em primeiro turno, foi um dos maiores municípios onde o PSL foi bem-sucedido.

O partido na cidade tem um histórico de forte influência de Roberto Silva Soares, o Robertinho Soares, que foi assessor do ex-deputado Marcelo Álvaro Antônio, hoje ministro do Turismo.

Robertinho é ex-presidente municipal do partido. Alvo de investigação no escândalo dos laranjas do PSL, revelado pela Folha, chegou a preso em junho de 2019 e foi denunciado junto com o ministro.

Neste ano, o PSL ipatinguense acabou lançando Gustavo Nunes, que havia ficado como suplente de vereador nas eleições de 2016 e assumido um assento na Câmara apenas em 2019, quando integrantes da Casa foram cassados.

Apesar de ter sido um reduto petista nos últimos 30 anos, a cidade tem sofrido com uma política turbulenta e judicializada, que provocou a troca precoce de diversos prefeitos e mudou o humor dos habitantes. Em Ipatinga, no segundo turno de 2018, Bolsonaro teve 74% dos votos válidos.

Apesar da idade e da pouca experiência política, Gustavo Nunes conquistou 45.980 votos nas eleições municipais e ficou à frente de caciques da política local como o atual prefeito Nardyello Rocha (Cidadania), o ex-prefeito Sebastião Quintão (MDB), que concorria como vice do DEM, e o ex-prefeito João Magno (PT).

Teve uma receita na campanha de R$ 970 mil, dos quais R$ 698 mil foram repassados pelo PSL estadual referentes ao fundo público eleitoral. O segundo lugar, o prefeito Nardyello, teve receita de R$ 610 mil.

Segundo o presidente do PSL de Minas Gerais, o deputado federal Charlles Evangelista, o partido apostou em Gustavo porque pesquisas internas apontavam que a população da cidade "queria um candidato com o perfil dele, de fora de grupos políticos tradicionais, que poderia fazer a ruptura daquela política antiga de Ipatinga".

Em campanha, Gustavo Nunes fez promessas como a de “fechar a torneira da corrupção” e “revisar todos os contratos públicos, corrigindo falhas e rescindindo os superfaturados”.

Depois de eleito, uma das suas primeiras agendas foi ir a Brasília para encontrar Marcelo Álvaro Antônio.

O ministro foi denunciado pelo Ministério Público sob acusação de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa. Ele tem negado as acusações.

Outra agenda do prefeito eleito foi uma ida a Brusque (SC) para encontrar o empresário Luciano Hang, da Havan, conhecido apoiador do presidente Jair Bolsonaro.

“Está aqui hoje comigo o prefeito e o vice-prefeito eleitos de Ipatinga, em Minas Gerais. Pra quê? 'Luciano, precisamos de uma loja em Ipatinga’. [Ele está] buscando investimentos, buscando empreendedores e buscando empregos para a sua cidade”, afirmou Hang.

Segundo Hang, para instalar uma loja na cidade o único pedido que ele faz à prefeitura é que não haja burocracia e que o trabalho da aprovação de projetos seja rápido.

Procurado pela reportagem, Gustavo Nunes respondeu a perguntas apenas por meio de sua assessoria, por escrito. Afirmou que pretende aplicar valores de “verdade, honestidade, transparência, respeito, fé e família” na administração da cidade.

Sua coligação tinha apenas o PSL e o PSC, que elegeram 3 dos 19 vereadores da cidade. Questionado se irá governar com as outras forças políticas do município, não detalhou.

Disse que o único compromisso que tem “é com o povo”. “O relacionamento entre nosso governo e a Câmara e o Judiciário será de respeito e em prol do povo, cada um exercendo o seu papel, mas todos visando o bem comum.”

Ele afirma que conheceu Bolsonaro quando o presidente foi a Ipatinga, em agosto. Já sobre Hang, diz que por fazerem “parte de uma mesma linha ideológica”, amigos em comum falaram sobre ele para o empresário e eles só se conheceram pessoalmente na quinta (26).

Gustavo Nunes não vê contradição entre o seu discurso anticorrupção e a proximidade com Marcelo Álvaro Antônio, porque o ministro não tem condenação. “Acredito que a lei está para todos e, conforme a Constituição, até que se prove o contrário, somos todos inocentes”, afirma.

Ele afirma que conheceu Álvaro Antônio no ano passado, quando se filiou ao PSL (antes, foi do PTC), e desde então construiu "uma relação de respeito e amizade".

Já Robertinho Soares, segundo ele, apoiou a sua campanha apenas como "entusiasta do projeto e filiado ao PSL".

Questionado se ele terá alguma participação na futura gestão, afirmou que ainda não há cargos definidos, e que eles serão ocupados por pessoas "tecnicamente capazes e com expertise para exercer as funções".

“Entretanto, assim como o Ministro Marcelo Álvaro, ele não tem nenhum processo transitado em julgado, portanto não teria nenhum impedimento legal caso quisesse assumir qualquer cargo público”, diz.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.