Descrição de chapéu
3º Seminário Economia da Arte

Livro elege biblioteca como espaço-chave da vida coletiva

Para o sociólogo Eric Klinenberg, acesso livre à cultura é incompreendido por não se encaixar na lógica de mercado

Palaces for the People: How Social Infrastructure Can Help Fight Inequality, Polarization, and the Decline of Civic Life

  • Autor Eric Klinenberg
  • Editora Crown

Em uma manhã, oito mulheres de 50 a 90 anos se reúnem no subsolo de uma biblioteca no leste do Brooklyn, em Nova York. Vestem uniformes azuis e começam, em um Xbox, a primeira partida de um campeonato de boliche, enfrentando oponentes de uma biblioteca vizinha.

A cena, narrada por Eric Klinenberg no livro “Palaces for the People” (palácios para o povo, sem edição no Brasil), é uma das várias que o sociólogo compõe para sustentar que espaços coletivos são tão importantes quanto os sistemas de engenharia das cidades.

Bibliotecas são, para ele, o tipo mais expressivo desses lugares que impulsionam encontros cotidianos e fortalecem vínculos sociais, como bares, cafés, parques, praças e restaurantes —chamados no livro de infraestrutura social.

Sala de leitura na Biblioteca Pública de Nova York
Sala de leitura na Biblioteca Pública de Nova York - Phil Roeder/Reprodução

“Quando a infraestrutura social é robusta, promove o contato, o apoio mútuo e a colaboração entre amigos e vizinhos; quando se degrada, inibe a atividade social, deixando famílias e indivíduos à própria sorte”, escreve.

Hoje professor da Universidade de Nova York, Klinenberg se aproximou do tema em sua pós-graduação, quando pesquisou a onda de calor que deixou mais de 700 mortos no verão de 1995 em Chicago, cidade onde cresceu. 

Bairros pobres, periféricos e com população majoritariamente negra foram os mais castigados, mas áreas vizinhas com perfis demográficos semelhantes registraram taxas de mortalidade diferentes.

Para o autor, o meio construído de cada bairro explica a disparidade —áreas com imóveis abandonados, sem comércio ou equipamentos comunitários promovem o isolamento, que pode ser mortal em um evento desse tipo.

Morar em um bairro com boa infraestrutura social é equivalente a ter um ar-condicionado em casa, escreve.

O autor defende que cientistas precisam estudar como os lugares influenciam a vida das pessoas. “O meio social e físico configura nosso comportamento de maneiras que nós falhamos em reconhecer.”

 

Nesse sentido, “Palaces for the People” reverbera o debate sobre a importância do espaço nas dinâmicas sociais —oposto à noção de não lugares.

Histórias de personagens se prolongam por várias páginas, e muitas delas são formatadas para guiar uma narrativa prévia do autor.

O livro trata de segurança pública e acesso à alimentação de qualidade, entre outros temas balizados pela ideia de infraestrutura social, mas o resultado é desigual.

O último capítulo resvala em ideias tratadas de forma simplista, como o apelo por uma união de investimentos públicos, privados e filantrópicos para financiar bibliotecas.

Klinenberg critica as corporações do Vale do Silício que, em sua opinião, drenam a vitalidade dos espaços coletivos com suas plataformas.

Para ele, políticos e líderes não reconhecem o papel das bibliotecas “porque seu princípio fundador —que todas as pessoas merecem acesso gratuito e aberto a nossa cultura— está fora de sincronia com a lógica de mercado que domina nosso tempo”.

Retrato de Andrew Carnegie em 1905
Retrato de Andrew Carnegie em 1905 - Frances Benjamin Johnston/Reprodução

Como contraponto, ele resgata a iniciativa de Andrew Carnegie, que financiou a construção de 2.811 bibliotecas em todo o mundo entre 1883 e 1929. 

Imigrante escocês tornado magnata industrial, Carnegie gostava de chamar as maiores bibliotecas de “palácios para o povo”. O autor conta que, ao mesmo tempo em que atacava com violência grevistas, Carnegie acreditava que não havia investimento mais produtivo em crianças.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.