Descrição de chapéu Festival Design Weekend

Mostras conectam passado e futuro do Japão

Exposições na Japan House revelam processo criativo do arquiteto Tsuyoshi Tane e da designer de tecidos Reiko Sudo

Carolina Moraes
São Paulo

Com apenas dois anos de existência, a Japan House já entrou para o circuito cultural paulistano e participa pela segunda vez da DW, a semana do design de São Paulo.

Neste ano, além de promover palestras, a casa nipônica localizada na avenida Paulista vai abrigar duas exposições relacionadas com a missão do centro: apresentar o Japão contemporâneo sem deixar de lado as raízes do país.

A primeira mostra, que foi aberta em 6 de agosto e vai até 13 de outubro, faz uma retrospectiva do trabalho de Tsuyoshi Tane, 40, arquiteto japonês responsável por projetos como o Museu Nacional da Estônia, em Tartu, e o estádio Kofun, em Tóquio. 

Instalada no segundo andar da casa, a exposição apresenta o processo criativo de 15 projetos do arquiteto por meio de maquetes, rascunhos e objetos encontrados próximos às obras. Ao todo, serão 600 itens e 2.000 imagens. 

Tane busca inspiração para suas criações na história do local. A ideia é projetar o novo levando em conta as origens do lugar, técnica que ele chama de “Arqueologia do Futuro”. O termo dá nome à exposição e é o título de um manifesto escrito pelo arquiteto.

O Museu Nacional da Estônia, cuja maquete está exposta na mostra, foi planejado com esse método. O prédio, que começou a ser erguido em 2006, foi construído em uma área que já foi usada como pista de pouso da União Soviética. O país dominou a Estônia até 1920 e voltou a anexá-la durante a Segunda Guerra. Com formato longo e retangular, o museu celebra uma “história rica e, às vezes, dolorida”, diz o artista no projeto. 

Natasha Barzaghi Geenen, diretora cultural da Japan House, afirma que tanto o arquiteto quanto Reiko Sudo, designer que ganha a segunda exposição da programação, têm respeito e consciência da tradição mesmo quando estão trabalhando com inovação. 

Ela também diz que a arquitetura e o design têm sido temas recorrentes de eventos no espaço por serem assuntos de referência para a cultura japonesa. 

Tema da segunda exibição, Reiko Sudo é criadora da marca Nuno, termo que dá nome à mostra e significa tecido em japonês. Sudo é conhecida por criar estampas e tramas. Ela trabalha apenas com tecelões e tintureiros japoneses e une tecnologias de ponta com práticas tradicionais. Parte dos seus trabalhos são reinterpretações da tradição têxtil do Japão. 

Designer Sudo Reiko
Designer Sudo Reiko - Kosuke Tamura

Em cartaz de 20 de agosto a 27 de outubro, a exposição terá duas visitas guiadas pela própria Sudo, com tradução simultânea do japonês para o português. 

A primeira, na abertura, será gratuita e aberta ao público. A segunda faz parte da primeira edição do Experiências Japan House, proposta de imersão do público no complexo. 

A visita inclui um passeio pela exposição, um bate-papo com a designer e um evento gastronômico comandado por Telma Shiraishi, do restaurante Aizomê, eleita chef do ano na última edição de O Melhor de sãopaulo - Restaurantes, Bares & Cozinha. O evento custa R$ 300 e será realizado no dia 23 de agosto. 

Design Weekend
De 18 a 25 de agosto, acontece em mais de 120 pontos de São Paulo, com atrações gratuitas e pagas; a programação completa estará disponível a partir de 13 de agosto no site designweekend.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.