Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/12/2011 - 00h00

Ramis Bucair (1933-2011) -O museu de pedras e as expedições

Publicidade

DE SÃO PAULO

Os filhos de Ramis Bucair às vezes ficavam de sete meses a um ano sem vê-lo. Era o tempo que duravam suas expedições pelo Mato Grosso.

Leia sobre outras mortes

Nascido em Poxoréo (MT), o filho de comerciantes libaneses cresceu em Cuiabá. Formou-se engenheiro agrimensor em SP e logo voltou para a capital mato-grossense.

Costumava se embrenhar na mata em grupo de 20 homens para medir terras, estudar cavernas e coletar pedras. Geralmente, só voltavam das expedições três ou quatro da equipe --alguns desistiam, outros morriam. Devido às aventuras, aprendeu duas línguas indígenas e pegou 22 malárias, conta o filho Júnior.

Chegou a percorrer a pé 840 km na manutenção de uma linha telegráfica.

Espeleólogo (estudioso de cavernas), descobriu e catalogou 34 grutas e cavernas no Estado. Tirou mais de 5.000 fotos delas. E com as peças que coletava pelo caminho (mais de 4.000), criou o primeiro museu de pedras do Brasil, que leva seu nome.

No acervo há peças fossilizadas, fêmures de dinossauros, meteoritos e até um pedaço de pedra lunar, que lhe foi enviado pela Nasa.

Ramis conheceu o marechal Rondon (1865-1958), de quem ganhou um mapa assinado. Há pouco, doou-o ao Exército. Também já foi convidado por Jacques Cousteau a participar de uma expedição na Amazônia, mas não foi por causa do pé quebrado.

Amigo dos irmãos Villas Bôas, em 1960 denunciou à ONU um massacre de índios.

Ramis teve ainda uma boate em Cuiabá, onde morreu na terça (20), aos 78 anos, de câncer. Deixa quatro filhos, sete netos e três bisnetos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página