Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/12/2009 - 17h32

El Salvador afirma disposição em reconhecer governo de Honduras

Publicidade

da Folha Online
da Ansa, em Washington

O chanceler de El Salvador, Hugo Martínez, afirmou nesta quinta-feira, durante uma visita aos Estados Unidos, que aguarda os primeiros gestos do vencedor das eleições presidenciais hondurenhas, Porfirio "Pepe" Lobo, para decidir se reconhece ou não seu mandato, que terá início em janeiro.

Conforme o chanceler, há tempo suficiente até o início do mandato para que a comunidade internacional possa "observar os gestos" de Lobo. "Gostaríamos de observar alguns sinais do compromisso de Lobo com a democracia e a unidade nacional", prosseguiu.

Na noite de ontem, Zelaya foi impedido de deixar o país pelo regime interino encabeçado por Roberto Micheletti. Ele teria como destino o México, país que chegou a enviar um avião para buscá-lo, mas acabou tendo rejeitado o pedido de salvo-conduto feito a Micheletti. Conforme explicou depois o próprio Zelaya, Micheletti impôs como condição para dar o salvo-conduto a assinatura de um documento no qual ele renunciaria ao cargo.

"Ontem eu podia sair nas condições que queria a ditadura, mas estou demonstrando minha integridade, estou demonstrando amor suficiente por meu país e por meu povo para não me deixar curvar. Estou firme para resistir a qualquer ataque e todas as torturas que quiserem me fazer, mas não vou renunciar", afirmou Zelaya, que permanece isolado na embaixada do Brasil em Tegucigalpa desde setembro passado.

Embora tenha reconhecido que a crise gerada em Honduras pela deposição do presidente Manuel Zelaya, em junho passado, esteja entre as prioridades da região, Martínez ressaltou que o tema não pode "ocupar toda a agenda" da América Central. "Não podemos permitir que o caráter conturbado da crise nos absorva", disse o ministro, que visita Washington. "O tempo segue e temos de atender a outros assuntos."

A crise hondurenha foi um dos tópicos da reunião que Martínez manteve nesta quinta-feira com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton.

Comentários dos leitores
Luciano Filgueiras (94) 02/02/2010 17h52
Luciano Filgueiras (94) 02/02/2010 17h52
Sobre o comentário do nosso estimado Diplomata, dizendo ele, que o nosso país inspira o desarmamento mundial; apenas brinco: "Nosso Amorim é um gozador!... sem opinião
avalie fechar
sebastião chaves (9) 02/02/2010 15h19
sebastião chaves (9) 02/02/2010 15h19
como tem pirado escrevendo e enviando os seus comentários. os textos chegam ser manifestações de humorismo involuntário.
Peço àqueles que discordam das bobagens escritas, sejam condescentes com os pirados da silva.
Pai, perdoi, eles não sabem o que escrevem. Descansem em paz, pirados.
sem opinião
avalie fechar
John Reed (41) 02/02/2010 03h21
John Reed (41) 02/02/2010 03h21
A realidade é inexorável.
Ideologias fajutas não passam de blá-blá-blá porque são míopes para enxergar qualquer coisa. Mas certamente não querem ver nada porque acham que já pensaram em tudo. Aí quando a realidade contraria a 'verdade' ideológica as coisas começam a ficar violentas.
Já viu uma criança contrariada? Pois é. Parece que o brinquedo favorito do Coronel Presidente Hugo Chávez se recusa a funcionar como ele deseja. E isso acaba refletindo em alguns nesse fórum, que contrariados produzem textos violentos tanto no estilo quanto no conteúdo.
Uma política carioca, médica, disse (isso ninguém me contou), no ocaso dos países comunista pós Muro, que o ideal e modelo de país a ser seguido eram os da Albânia. Caramba! Isso tem 20 anos.
É pra dar medo: o que a crença em ideologias ou dogmas pode fazer com uma pessoa culta e inteligente. Como já disse, a realidade é desagradavelmente real para alguns.
2 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (5675)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página