Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/02/2013 - 06h30

Deputado diz ser alvo de 'jogo de dossiês'

Publicidade

DE SÃO PAULO

O deputado federal Gabriel Chalita disse em nota à Folha que os depoimentos de Roberto Leandro Grobman visam atingir a sua imagem.

"Por que estas denúncias surgem dez anos depois de eu ter deixado a Secretaria da Educação da gestão Geraldo Alckmin? Qual o interesse desse senhor e quais são as provas de suas acusações? Isso faz parte do jogo de dossiês, que surgem em momentos estratégicos, para atingir a imagem de quem trabalha por este país e tem compromisso com a ética".

Empresa pagava despesas de Chalita, diz ex-colaborador

Chalita negou que Grobman tenha tido cargo informal na secretaria. Sua assessoria diz que ele frequentava a secretaria como fornecedor.

Segundo a assessoria do deputado, Grobman só teve acesso ao círculo de Chalita porque namorou uma de suas principais assessoras, com quem chegou a frequentar o apartamento dele.

Segundo o deputado, a automação do apartamento de Higienópolis custou R$ 60 mil, pagos à Valverde.

Chalita disse que o COC jamais bancou viagens de avião ou de helicóptero na época em que foi secretário. A pasta tinha feito licitação para usar esse tipo de aeronave, de acordo com a sua assessoria.

Para o deputado, não há irregularidade na doação de computadores pelo COC, para serem sorteados em seu programa "Quarta Viva", na TV Canção Nova.

O grupo só pagou viagens e hospedagem de Chalita quando ele estava fora da secretaria, a partir de 2008, de acordo com a assessoria de Chaim Zaher. Chalita viajava para fazer conferências para o grupo. Ele tinha um contrato para fazer conferências, pelas quais recebia R$ 30 mil por apresentação, segundo a assessoria de Zaher.

Em certos anos, Chalita fez 12 conferências para o grupo.

Zaher afirmou em nota ser "vítima de seu antigo colaborador Roberto Grobman, que sistematicamente o ameaça, desde que foram rompidos laços de prestação de serviços com ele". Ele afirma ter registrado boletim de ocorrência sobre as ameaças em 5 de fevereiro deste ano

A assessoria de Zaher diz que o grupo COC nunca pagou despesas de automação do apartamento de Chalita, como relatou Grobman ao Ministério Público.

Assessores de Zaher confirmam que o grupo COC comprou 34 mil exemplares do livro "Pedagogia do Amor". O objetivo era presentear os cerca de 30 mil profissionais do grupo no Dia do Professor.

O prefeito de Santos, Paulo Barbosa (PSDB), não respondeu especificamente a nenhuma das dez questões encaminhadas pela Folha.

Barbosa, que foi secretário-adjunto da Educação, divulgou nota em que afirma ter uma vida política livre de acusações. "Jamais fui investigado ou réu em processo que envolva algum desvio de conduta moral".

Segundo a nota, ele considera estranho que as declarações feitas ao Ministério Público ocorreram às vésperas das eleições de 2012, ou seja, cerca de sete anos depois de ter deixado o cargo de secretário-adjunto.

"Medidas judiciais cabíveis também serão analisadas diante das inverdades e calúnias apresentadas", afirma Barbosa.

Editoria de Arte/Folhapress
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página