Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/10/2010 - 22h26

No aniversário de Indio, agressão a Serra é vista como 'desespero'

Publicidade

DO RIO

No aniversário de 40 anos do candidato a vice-presidente Indio da Costa (DEM), a agressão ao seu companheiro de chapa José Serra (PSDB) foi classificada como ato de "desespero" de quem tem medo de "perder a boquinha".

A candidata do PT, Dilma Rousseff, foi chamada de "ficha suja de sangue", "comunista" e "autoritária".

Em encontro com cerca de 2.000 pessoas na churrascaria Porcão Rio's, no aterro do Flamengo, Indio aconselhou o PT a ter "juízo, juízo, juízo".

Serra cancela agenda no Rio após pancada na cabeça; veja vídeo
Serra leva pancada na cabeça em confusão com militantes do PT no Rio
Militantes do PT e do PSDB se enfrentam durante ato de Serra
Acompanhe a Folha Poder no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

"Estava do lado do Serra, abraçado com ele, quando veio aquele pacote enorme. Bateu na cabeça dele e fez até barulho. Um negócio pesado. Devia ter uns dois quilos", narrou ao microfone em área em frente à baía de Guanabara.

"Quando vi aquilo, se de um lado fiquei assustado, de outro pensei: o Vox Dilma [piada com o instituto Vox Populi], que dizia que não haveria segundo turno, agora diz que o PT está 12 pontos à frente. Mas, se o PT está nervoso desta maneira, é que o Serra já está à frente. A cada ato de violência como esse devolvemos com amor, carinho e voto na urna", declarou o candidato a vice, o mais moderado dos que discursaram.

O deputado reeleito Arolde de Oliveira (DEM) lembrou que PT e aliados conquistaram maioria de 2/3 no Congresso.

"Se ela [Dilma] ganha a eleição, ela será a Constituição do Brasil. Estaremos à mercê de Dilma, Vanda ou Stela, seja lá que nome tenha, à mercê de uma pessoa na qual não existe compromisso com este país. Tem compromissos só com ideologias adversas à democracia e ao Estado de Direito", disse em referência a codinomes da petista à época da ditadura militar.

Arolde discursou que Dilma e seu grupo queriam implantar o comunismo no Brasil. "Por isso foram derrotados. Praticaram todas as insanidades políticas como terrorismo, sequestro, assalto a bancos que se possa imaginar."

O deputado federal reeleito Jair Bolsonaro (PP) afirmou que Dilma tem a "ficha suja de sangue" de brasileiros.

O presidente do PSDB-RJ, Marcello Alencar, definiu-se como "aflito imaginar que essa moça" possa um dia governar o país. "Nunca vi uma campanha tão infeliz e atrasada, em razão do desespero que tomou conta do PT e de seus asseclas. A atitude agressiva é termômetro da angústia deles e nos deve ser muito favorável. O povo brasileiro condena a violência."

O presidente nacional do DEM, deputado federal reeleito Rodrigo Maia, afirmou acreditar que a maioria do PT rejeita agressões como a registrada contra Serra. "Isso é obra daqueles 40 mil cargos criados por Lula, daqueles que ocupam diretorias de estatais", disse. "É ato daquela facção comandada por José Dirceu [deputado petista cassado] que só quer o poder pelo poder."

O prefeito de Duque de Caxias, José Camilo Zito (PSDB), afirmou que os agressores "estão com medo de perder a boquinha".

Estiveram presentes na comemoração do aniversário de Indio a ex-diretora da Anac Denise Abreu, o diretor de cinema Zelito Viana e os atores Mauro Mendonça, Rosamaria Murtinho, Therezinha Sodré e Carlos Vereza.

"Como espírita, posso falar que vejo uma falange imensa de obsessores", disse Vereza. "A segunda pele de Dilma é a mentira."

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página