Ministério do Meio Ambiente vai enxugar área de mudanças climáticas

Atividades ficarão concentradas numa assessoria especial de mudança do clima, a ser criada

Fernando Tadeu Moraes
Brasília

O Ministério do Meio Ambiente vai enxugar a área da pasta responsável por mudanças climáticas. 

Após extinguir a Secretaria de Mudanças do Clima e Florestas, que deu lugar à Secretaria de Florestas e Desenvolvimento Sustentável, o ministro Ricardo Salles afirmou à Folha que as atividades passarão a ser concentradas numa assessoria especial de mudança do clima, a ser criada.

Até então, a secretaria abrigava o Departamento de Políticas em Mudança do Clima, o Departamento de Monitoramento, Apoio e Fomento de Ações em Mudança do Clima e o Departamento de Florestas e Combate ao Desmatamento  —as duas primeiras deixaram de existir.

Essa estrutura era formada por 120 pessoas, se incluídos os funcionários de carreira, terceirizados e aqueles vinculados a projetos da secretaria. Em 2018, o orçamento foi de cerca de R$ 300 milhões.

Agora, a pauta climática passará a ser tocada por uma assessoria especial, que atuará em conjunto com a Secretaria de Relações Internacionais. Segundo Salles, a mudança se deve a uma questão de “eficiência administrativa”.

Para Salles, a perda de status administrativo e a redução do tamanho da área de mudança climática não diminuem sua importância.

“Tamanho não é documento. Quando você cria uma estrutura mais enxuta e próxima do gabinete do ministro, você tem todas as medidas acompanhadas mais de perto. É, na verdade, um upgrade.”

Segundo Salles, com a mudança será possível dar maior efetividade à captação de recursos no exterior.

“Precisamos sair do campo das ideias e transformá-las em recursos efetivos para o Brasil”, disse.

A questão da mudança climática é assunto controverso dentro do governo Jair Bolsonaro (PSL). Durante a campanha, o atual presidente criticou o acordo de Paris, por “ir contra a soberania” nacional. Assinado em 2015 por 195 países, o tratado foi o primeiro a reunir praticamente todas as nações em torno de compromissos para limitar o aquecimento global.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já escreveu que a “defesa da mudança do clima” é “basicamente uma tática globalista de instilar o medo para obter mais poder.” 

O novo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, assumiu o posto nesta quarta-feira (2/1) em Brasília, após cerimônia de transmissão de cargo com o antecessor, Edson Duarte
O novo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, assumiu o posto nesta quarta-feira (2/1) em Brasília, após cerimônia de transmissão de cargo com o antecessor, Edson Duarte - Gilberto Soares / MMA

No começo de dezembro do ano passado, logo após ser escolhido para chefiar a pasta do Meio Ambiente, Ricardo Salles declarou que a discussão se há ou não há aquecimento global é secundária.

As mudanças no ministério vêm na sequência de outras ocorridas na terça-feira. A principal delas foi a saída do Serviço Florestal Brasileiro do Meio Ambiente para a Agricultura, estabelecida por uma 
medida provisória.

Criado em 2006 para gerir a concessão de florestas públicas, o Serviço Florestal tem hoje como sua principal atribuição o Cadastro Ambiental Rural (CAR), um registro eletrônico obrigatório para os proprietários de imóveis rurais e um dos mecanismos para a implementação do Código Florestal.

De caráter autodeclaratório, o CAR identifica as áreas de reserva legal e as áreas de preservação permanente das propriedades rurais do país. O cadastro permite aos órgãos ambientais saberem quem tem passivo ambiental e quem está seguindo o que determina a lei.

Mudanças no Ministério do Meio Ambiente

Mudanças climáticas
Área será enxugada e passará para uma assessoria especial, a ser criada

Serviço Florestal Brasileiro 
Foi transferido para a Agricultura. Hoje tem como principal atribuição o Cadastro Ambiental Rural (CAR)

Pesca e licenciamento do setor 
Competência também passou do Ministério do Meio Ambiente para o Ministério da Agricultura

Agência Nacional de Águas (ANA) 
Segundo novo ministro, gestão de política de águas e de serviços hídricos será feita em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.