Papa Francisco recebe líder indígena Raoni no Vaticano

Defesa da Amazônia é uma das pautas adotadas pela Igreja Católica

Cidade do Vaticano | AFP

O papa Francisco recebeu nesta segunda (28), no Vaticano, o líder indígena Raoni, que tem como causa a defesa da floresta amazônica, um dos desafios do primeiro pontífice latino-americano. O Vaticano divulgou fotos e um vídeo do encontro, durante o qual os dois líderes trocaram presentes e conversaram amigavelmente.

O indígena brasileiro iniciou em 12 de maio uma excursão de três semanas pela Europa, onde foi recebido por chefes de Estado, marchou com jovens em favor do clima e agora se reúne com o papa.

"Com este encontro, o papa Francisco quer reiterar sua atenção pela população e pelo meio ambiente da região amazônica e seu compromisso com a proteção da Casa Comum", explicou no domingo o porta-voz do papa, Alessandro Gisotti.

Considerado o pontífice mais sensível aos problemas ecológicos após a publicação em 2015 da encíclica "Laudato Si", o papa argentino convocou para outubro deste ano um sínodo ou assembleia de bispos sobre a Amazônia, a fim de proteger os povos desta região que abrange nove países e é considerada o pulmão do planeta. 

"A audiência com Raoni também faz parte da preparação para a Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Panamazônica, a ser realizada de 6 a 27 outubro, com o tema 'Amazônia: Novos caminhos para a Igreja e para Ecologia'", precisou Gisotti.

O líder caiapó, que viaja acompanhado de outros três líderes indígenas do Xingu, conta ter sofrido com a devastação de seu vasto território, ameaçado pelo desmatamento, pelo agronegócio e pela indústria madeireira, um fenômeno que o próprio papa denunciou quando visitou Puerto Maldonado em janeiro de 2018, uma cidade rural no sudeste do Peru, cercada por floresta amazônica.

A preocupação do papa com as ameaças contra esse santuário da biodiversidade coincide com a de muitas populações amazônicas, determinadas a defender sua identidade e seus costumes.

 

É a primeira vez que a Igreja Católica apoia oficialmente atividades concretas em favor do cuidado ambiental, inclusive nas paróquias.

A viagem de Raoni acontece em meio a tensões com o presidente Jair Bolsonaro, que tem se mostrado favorável à exploração de áreas protegidas.

O cardeal brasileiro Cláudio Hummes, próximo ao papa, relator geral do sínodo a ser realizado de 6 a 27 de outubro, reconheceu recentemente em Roma que a defesa da Amazônia gera muitas "resistências e incompreensões". 

"Os interesses econômicos e o paradigma tecnocrático são contrários a qualquer tentativa de mudança e estão prontos a se imporem com força, violando os direitos fundamentais das populações no território e as normas de sustentabilidade e proteção da Amazônia", explicou Hummes.

A igreja de Francisco também diz se empenhar em proteger "os esquecidos" da floresta amazônica, as populações mais pobres.

A Amazônia é habitada por 390 povos com uma identidade cultural e uma língua própria, e tem cerca de 120 aldeias livres em isolamento voluntário.

Este território, compartilhado por nove países e habitado por cerca de 34 milhões de pessoas, abriga 20% da água doce não congelada do mundo, 34% das florestas primárias e de 30% a 50% da fauna e flora do planeta.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.