Salles quer que fundos ajudem a pagar por preservação da Amazônia, diz jornal

Ministro do Meio Ambiente afirmou ao britânico Financial Times que programa Adote um Parque será lançado na próxima semana para esse fim

Bruxelas

O governo Bolsonaro vai lançar na semana que vem o programa Adote um Parque, para atrair o setor privado a pagar pela preservação de parte da Amazônia, segundo o jornal britânico Financial Times.

A iniciativa foi anunciada pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ao veículo, depois que grandes empresas e fundos de investimento nacionais e internacionais ameaçaram retirar recursos e cortar negócios com o país por causa da falta de políticas de preservação ambiental no país.

“A resposta do governo brasileiro é: temos instrumentos estruturados para vocês, os fundos, virem nos ajudar a cuidar da Amazônia. Participe, supervisione, aja junto conosco”, afirmou Salles ao FT, segundo a reportagem do jornal britânico.


O programa deve permitir a contribuição do setor privado nacional e internacional na preservação de 132 unidades de conservação ambiental na Amazônia, o equivalente a 15% do território brasileiro ameaçado. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o BNDES está desenhando o programa, que inclui as concessões de parques nacionais, como os de Lençóis Maranhenses, Jericoacoara e o Parque Nacional de Brasília.

À Folha, Salles havia dito no final do último mês que pretende conceder à iniciativa privada também a Floresta Nacional.

Investidores ouvidos pelo jornal britânico, porém, disseram que o governo brasileiro precisa primeiro demonstrar que é capaz de impedir que garimpeiros e madeireiros ilegais destruam a floresta, antes que eles coloquem mais recursos no país.

Reportagem da Folha mostrou que o desmatamento ilegal continua avançando na Amazônia e dados divulgados neste mês mostraram novo aumento das queimadas no último mês.

Em julho, após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, o diretor de investimentos responsáveis do Nordea Asset Management, Eric Pedersen, afirmou que faltam planos do governo para a Amazônia: “Ainda permanece pendente um plano diretor ou estrutura abrangente sobre como controlar de maneira eficaz e comprovada o desmatamento a médio e longo prazo”.

A administradora de recursos escandinava é uma das empresas que assinaram carta a embaixadas brasileiras no mês passado pedindo uma reunião para discutir a preservação da Amazônia.

Outro signatário da carta, o fundo de pensão norueguês KLP, também considera improvável o funcionamento de um mecanismo de investimento como o proposto pelo Adote um Parque.

“Neste momento, os resultados em termos de terras desmatadas e controvérsias se desenvolvem de maneira negativa e é necessária uma mudança positiva nessa trajetória antes que investimentos possam ser considerados”, afirmou Jeanett Bergan, chefe de investimentos responsáveis ​​do fundo, ao FT.

Analistas avaliam que a melhor forma de financiar a preservação da Amazônia seria com a venda de créditos de carbono, mas Salles afirmou ao jornal britânico que falta regulamentação para que esse mecanismo comece a funcionar”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.