Siga a folha

Editado por Fábio Zanini, espaço traz notícias e bastidores da política. Com Juliana Braga e Carolina Linhares

Descrição de chapéu Itamaraty

Itamaraty nomeia braço direito de Ernesto para cargo nos EUA em manobra à la Weintraub

Pedro Wollny, criticado por diplomatas, não participará mais do dia a dia do ministério

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

O Itamaraty nomeou o braço direito do ex-chanceler Ernesto Araújo, Pedro Wollny, para o cargo de chefe do escritório financeiro em Nova York. Ele foi chefe de gabinete de Araújo e, com Carlos França, tornou-se secretário de gestão administrativa, um cargo importante na hierarquia da pasta e que deixou em setembro.

A mudança de Wollny para os EUA, oficializada no Diário Oficial em 30 de dezembro, foi interpretada como saída similar à que o governo deu a Abraham Weintraub, que deixou o Ministério da Educação e ganhou cargo no Banco Mundial.

O ex-chanceler Ernesto Araújo e Pedro Wollny (com a mão no queixo), que foi seu chefe de gabinete - Dammer Martins-15.out.2019/MRE

Afastado do núcleo decisório, Wollny não terá mais influência no dia a dia do ministério, lidará com questões burocráticas e não deverá receber autoridades internacionais em Nova York.

Um dos diplomatas ouvidos pela Folha ​descreveu a função como "prebenda de luxo".

A atuação de Wollny como chefe de gabinete foi bastante criticada por diplomatas e foi descrita como autoritária.

Em dezembro de 2020, por exemplo, ele cobrou por meio de mensagens de WhatsApp a presença física de diplomatas no Ministério das Relações Exteriores durante a pandemia da Covid-19, como mostrou o jornal O Globo.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas