Siga a folha

Descrição de chapéu Eleições EUA 2020 Folhajus

Trump consegue apoio suficiente no Senado para preencher vaga na Suprema Corte

Presidente quer fazer nomeação antes das eleições, algo que foi negado a Obama em 2016

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 1 ANO DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 POR 3 MESES

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

Washington | Reuters

O presidente Donald Trump conseguiu apoio no Senado para indicar o novo ocupante da Suprema Corte dos EUA antes das eleições de 3 de novembro, indicam sondagens. O Partido Republicano, o mesmo do presidente, tem maioria na Casa, com 53 de 100 senadores. No entanto, quatro parlamentares disseram inicialmente que não apoiariam a nomeação. Só que, agora, apenas dois mantêm a posição.

Nesta terça (22), o senador Mitt Romney, um raro crítico de Trump na legenda, disse que votaria a favor da nomeação. Com isso, o partido passou a ter 51 votos, número suficiente para a aprovação.

O senador Mitt Romney, ao anunciar o apoio à nomeação antes da eleição, após reunião com senadores republicanos em Washington - Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

Romney, candidato republicano à Presidência derrotado em 2012, disse considerar apropriado que uma nação de centro-direita, como ele classifica os EUA, tenha uma Suprema Corte "que reflita pontos de vista de centro-direita". Trump ainda precisa indicar formalmente um nome, que será sabatinado no Senado.

O presidente disse que pretende anunciar no sábado (26) um nome para substituir Ruth Bader Ginsburg, magistrada que morreu aos 87 anos na sexta (18) e um símbolo da luta por mais direitos às mulheres.

Trump tem mencionado duas mulheres como possíveis indicadas: Amy Barrett, atualmente na corte de apelações de Chicago, e Barbara Lagoa, que tem cargo similar em Atlanta. As duas são religiosas e alinham-se ao presidente em temas como direito a armas, posição anti-aborto e política anti-imigração.

Assim, Trump poderá ampliar a maioria conservadora na Suprema Corte para 6 a 3. Última instância da Justiça dos EUA, o tribunal tem poder para escolher que casos pretende analisar.

Na disputa pela reeleição, o presidente costuma usar o tema para pedir votos: diz que só ele poderá nomear mais juízes conservadores e, assim, ter controle sobre mudanças em temas como aborto e porte de armas, assuntos caros à parte de seus eleitores.

Os democratas acusam os republicanos de hipocrisia, pois o partido se recusou a permitir que Barack Obama indicasse um juiz para a corte pouco antes das eleições de 2016. Na época, os republicanos diziam que o certo era esperar a posse de um novo presidente, para que o eleito fizesse a nomeação.

Para a oposição atual, restam poucas opções para barrar a indicação, como boicotar audiências e tentar convencer senadores republicanos em dúvida. Porém, essas ações devem ter poucos efeitos práticos.

"Estou por aqui há alguns anos. Você pode desacelerar as coisas, mas não pode pará-las", comentou o senador democrata Dick Durbin.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas