Siga a folha

Descrição de chapéu
Eleições EUA 2020

Catarse de TVs americanas contra Trump abre precedente ético complexo

Fim da paciência com presidente foi explicitado quando canais cortaram discurso mentiroso

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 1 ANO DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 POR 3 MESES

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

São Paulo

Ao final da diluída adaptação do clássico dos quadrinhos "V de Vingança" para o cinema, que apresentou ao mundo a máscara do rebelde seiscentista britânico Guy Fawkes, o ditador de uma Inglaterra utópica é fuzilado por um dos figurões do regime. Tudo o que ele consegue dizer é: "Repugnante".

A catarse na tela era plenamente justificável, como toda aplicada a governantes aberrantes, e a história traz uma miríade de exemplos análogos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa na Casa Branca, em Washington - Brendan Smialowski - 5.nov.20/AFP

Na noite desta quinta (5), a mídia dos Estados Unidos executou metaforicamente Donald Trump. Com graus diferentes, o jornalismo reagiu de forma incisiva contra aquilo que um diplomata brasileiro definiu como "o ponto mais baixo da democracia americana".

As três grandes redes de TV aberta do país cortaram o evento em questão, o discurso no qual Trump despejou mentiras sobre o processo eleitoral no qual ele parece destinado a perder para o democrata Joe Biden. O mesmo foi feito por algumas plataformas online de jornais.

(Curiosidade aleatória, o discurso foi feito no mesmo 5 de novembro que marcou a conspiração pela qual Fawkes foi executado em 1606, quando tentou explodir o Parlamento em Londres, inspirando o anarquista dos quadrinhos dos anos 1980 e do filme de 2005.)

Moralmente justa, a medida drástica tem implicações éticas incontornáveis para o jornalismo profissional.

O corolário da revolta das TVs é simples: qual será a regra para determinar quem pode ou não falar? Teria a censura a Trump lá atrás, quando ele despejava sua cornucópia de lixo tóxico enquanto galgava o caminho ao poder, sido aceitável?

Há questionamentos incômodos. E se o presidente for só um sintoma? Afinal de contas, quando o teatro dramático da apuração passar, ao que parece com Biden como o novo inquilino da Casa Branca, praticamente metade dos eleitores americanos terá reiterado seu apoio a Trump.

Cortar Trump seria desrespeitar esse eleitor? Ao longo dos últimos anos, Trump e aqueles que o macaqueiam, como o brasileiro Jair Bolsonaro, têm martelado exatamente a ideia de que a "grande mídia" tolhe a "voz do povo". Aspas compulsórias aqui.

Com essa desculpa, mentem e distorcem, enquanto alimentam as supostamente "livres" redes sociais com todo o tipo de delírio de sua tropa de apoiadores —reais e robóticos.

Merecem ser punidos, isso é óbvio, mas o precedente aberto pode colocar o jornalismo profissional numa sinuca acerca de sua legitimidade como "gatekeeper", guardião do que é verdadeiro ou não.

Afinal, sabemos desde Pilatos, o que é a verdade? Equilibrar questionamento com o direito à palavra não é um desafio vulgar. Isso se aplica também à própria ação mais intensiva das redes, que vêm coibindo crescentemente o que consideram inadequado: basta dar um pulo à conta de Trump no Twitter para ver.

A resposta se insinuou na mesma noite de quinta. Diversos órgãos, como a CNN internacional, optaram por transmitir aquela peça de retórica radioativa na íntegra, só para desmontá-la na sequência.

Ao longo da madrugada, a dupla de apresentadores Wolf Blitzer e John King exasperou-se ao enfatizar a contradição básica de Trump negar o fundamento da democracia americana de forma seletiva, ao questionar a lisura da eleição só nos estados em que estava perdendo a corrida.

A degradação institucional, é bom deixar claro, foi promovida por Trump. Nesse sentido, a censura a seu discurso pode ao fim ser apenas uma hipérbole no funcionamento do sistema de freios e contrapesos que pauta a história americana. As decisões judiciais contra a investida de Trump parecem fórum mais adequado para a coerção. Mas a reflexão sobre o episódio se impõe.

Isso vale especialmente para o Brasil, onde Bolsonaro pauta sua atuação política como um decalque tropicalizado do trumpismo. Sua postura já criou questões que antecipam os embates na área, como a decisão de suspensão do plantão à porta do Palácio da Alvorada, quando a turba bolsonarista presente ameaçava fisicamente os profissionais presentes.

O pleito de 2022 está à porta. O comportamento do presidente brasileiro enseja a boa parte da elite pensante aquilo que seu aliado Roberto Jefferson falava sentir quando pensava no chefão petista José Dirceu nos idos do mensalão: instintos primitivos.

Não faltará jornalista, aqui ou nos EUA, pensando em chamar seus presidentes de "repugnante" e buscando seu cancelamento automático, para ficar no jargão. Coibir essa pulsão de rede social é trabalho civilizatório tão vital quanto questionar sistematicamente os abusos desses governantes.

Trump poderá ir embora, mas o estrago que fez permanecerá por um bom tempo.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas