Que imposto é esse

Reforma tributária para leigos e especialistas

Que imposto é esse - Eduardo Cucolo
Eduardo Cucolo

Governo federal retém cerca de 30% da arrecadação de IR e IPI

Dado é parte de retrospectiva sobre política fiscal feita pelos economistas Fabio Giambiagi e Guilherme Tinoco

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Os economistas Fabio Giambiagi e Guilherme Tinoco lançaram recentemente o paper "Política fiscal no Brasil de 1981 a 2023: uma retrospectiva histórica".

Procurando um gancho para que pudesse tratar da publicação neste blog de tributação, encontrei o capítulo sobre o aumento da carga tributária —de 14% do PIB em 1947 para 33,7% em 2022.

A publicação de 88 páginas poderia ser um livro, mas como explicam os autores, "o diferencial do trabalho envolve o fato de o texto ser mais sucinto (...) e de poder ser plenamente disponibilizado na internet."

Trata-se de um registro histórico com um vasto conjunto de dados, muitas vezes impossíveis de serem encontrados na íntegra nos sites oficiais, segundo os autores.

Ilustração de uso geral economia mercado dívidas dinheiro valor moeda inflação população economia
Catarina Pignato

Eles contam, por exemplo, o caso em que uma pessoa do Tesouro Nacional recorreu a um deles, em busca de dados do começo da década de 1990, não disponíveis no site da instituição, cuja série começa em 1997.

Voltando ao tema da tributação, encontrei o dado sobre a partilha de recursos dos impostos federais em uma nota de rodapé.

A partilha das receitas do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados em favor de estados e municípios cresceu de 12% no início do governo militar para 50% após a Constituição de 1988.

Do que resta para a União, 18% são aplicados obrigatoriamente em educação. Há ainda a parcela da receita líquida destinada à saúde.

"Assim, na prática, o governo federal retém apenas cerca de 30% da arrecadação do IR e do IPI. Desse modo, o principal tributo arrecadatório da União, IR, teve essa função dramaticamente reduzida", dizem os autores.

Segundo eles, quando o governo federal recorre ao IR para fins de ajuste fiscal —algo que estamos vivenciando neste momento [nota minha]— 70% da arrecadação transformam-se automaticamente em gastos dos estados, dos municípios e em despesas de educação e saúde, "o que anula em grande parte o efeito contracionista do ajuste".

O documento, que também traz dados sobre a evolução das despesas do governo federal e a evolução da qualidade e transparência desses dados, está disponível no site do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) neste link.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.