André Roncaglia

Professor da Unifesp, pesquisador associado do Ibre-FGV e doutor em economia do desenvolvimento pela FEA-USP

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

André Roncaglia
Descrição de chapéu Twitter

Elon Musk é o garoto-propaganda da taxação global dos super-ricos

Ataques revelam a urgência de limitar o acúmulo de riqueza dos bilionários

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

No livro "Power and Progress", Daron Acemoglu e Simon Johnson mostram como a excessiva confiança de empresários em suas próprias visões pode produzir grandes desastres. Citam o caso de Ferdinand de Lesseps, diplomata francês responsável pela construção do canal de Suez.

Com a confiança inflada, Lesseps convenceu investidores a construir o canal do Panamá no fim do século 19, apesar das condições adversas e perigosas do novo terreno. O projeto falhou sob sua supervisão, com muitos trabalhadores feridos ou mortos.

Esse parece ser o caso de Elon Musk. Reportagem do jornal The New York Times de 2022 retrata-o como um magnata que "age por impulso e acreditando que está absolutamente certo". Sua fortuna o torna ainda mais perigoso.

Ao adquirir a plataforma Twitter, ao final de 2022, Musk fechou o capital da empresa para evitar a pressão que sofre dos acionistas na Tesla (fora o elevado número de mortes registradas nos veículos "autônomos"). Empresas de capital fechado não precisam divulgar resultados trimestrais nem se sujeitam à regulação ostensiva de autoridades.

Sem essas amarras, Musk fez do Twitter um passatempo que lhe custou US$ 44 bilhões, sendo US$ 12,5 bilhões em dívida bancária. Musk demitiu metade dos funcionários e deu passe livre ao discurso de ódio e à desinformação na plataforma. A queda na captação de novos usuários e no faturamento da empresa levou o fundo de investimento Fidelity —que investiu US$ 300 milhões na operação— a estimar perda de 71% do valor da X Holding desde sua aquisição.

Bilionário falastrão e engajado politicamente em causas próprias, Musk tem usado seu novo brinquedo para ameaçar governos, promover criptomoedas e desafiar anunciantes no X. De onde vem tanto poder?

A fortuna de Elon Musk —estimada em US$ 195 bilhões— é maior que o PIB de mais de 130 países em 2023. Ademais, ele detém um complexo industrial em setores estratégicos: transportes terrestre e aeroespacial, telecomunicações e inteligência artificial. Tais poder e influência geram preocupações.

A Nasa alertou sobre a exposição de tecnologia e informação críticas ao controle da SpaceX e da Starlink. Outros países já emitiram alertas similares e estão trabalhando para substituir o sistema de posicionamento global (GPS) dos EUA por similares nacionais (na Rússia, Glonass; na União Europeia, Galileo; na Índia, IRNSS; na China, Beidou/BDS). Até quando o Brasil vai dormir no ponto?

Além disso, a Tesla já perdeu a liderança no mercado de veículos elétricos, com a implacável avalanche de carros chineses. Musk agora pede proteção tarifária e se esbalda nos pesados subsídios e incentivos do governo dos EUA, que permitiram à Tesla reduzir seus preços.

Carros da Tesla em fábrica na Califórnia - Carlos Barria/Reuters

Se somarmos a tudo isso a promessa de taxação global dos lucros das grandes corporações —a Tesla não paga um centavo de tributo federal, por registrar seus lucros em paraísos fiscais—, há motivos de sobra para Musk salivar pelo retorno de Donald Trump.

É nesse contexto que se dão os ataques contra Alexandre de Moraes. O Brasil vem fechando portas às suas investidas —com a revisão dos contratos que beneficiavam a Starlink e a perda da mineradora canadense Sigma Lithium para a chinesa BYD, o país se torna o lugar ideal para testar um mote da campanha presidencial de Trump. Lá, como aqui, a morosidade do Legislativo em definir o marco regulatório das redes sociais deixa à Suprema Corte a deliberação sobre o tema. Daí nasce a alegação de que o Judiciário viola a liberdade de expressão.

Além da regulação das mídias digitais, o caso Musk revela a necessidade de os Estados nacionais desenvolverem suas tecnologias críticas (como satélites e outras tecnologias da informação) e, sobretudo, a urgência de limitar o acúmulo de riqueza dos bilionários.

Musk é o garoto-propaganda do imposto mínimo global. Que seus ataques ao Judiciário brasileiro unam as nações em torno dessa inadiável agenda.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.