Após dez anos de atraso, Governo de SP inaugura estação do metrô São Paulo-Morumbi

Nova parada do metrô na zona oeste de São Paulo fica a 20 minutos a pé de estádio

Gustavo Basso
São Paulo

A gestão Márcio França (PSB) inaugura neste sábado (27), um dia antes do segundo turno da eleição, a estação São Paulo-Morumbi da linha 4-amarela do metrô. Candidato à reeleição, o governador França não pode ir à inauguração devido à lei eleitoral. Ele fez nesta sexta (26) uma visita técnica à estação. 

França disputa o Governo de SP com o ex-prefeito da capital João Doria (PSDB).

Com dez anos de atraso (a estação foi prometida inicialmente para 2008 e depois os prazos foram prorrogados para 2012 e 2014), a estação São Paulo-Morumbi faz parte da segunda fase de expansão da linha 4-amarela, que chega agora a 11,3 km de extensão. 

Ela funcionará das 10h às 15h, com cobrança normal de tarifa por um período de 15 a 30 dias. A nova estação será uma alternativa aos frequentadores do estádio do Morumbi. Ela está a 1,5 km da entrada principal do estádio, ou 20 minutos a pé.

O secretário de Transportes Metropolitanos de SP, Clodoaldo Pelissioni, atribuiu a dificuldades das empresas o atraso na entrega da estação. “O setor de construção civil está com problemas no Brasil, grandes empresas encruzilhadas na Lava Jato, médias com dificuldade de financiamento”, afirmou.

O consórcio que foi contratado para construir a linha 4 abandonou a obra em 2015. Em 2016, após a contratação de uma nova empresa, a construção foi retomada.

Já França criticou a construção simultânea de várias linhas de metrô, iniciadas na gestão Geraldo Alckmin (PSDB), de quem ele era vice entre 2015 e este ano. 

Hoje estão em obras, em diferentes estágios, as linhas 4-amarela, 5-lilás, 6-laranja, 15-prata e 17-ouro. “Para mim o ideal é fazer menos, concluir uma por uma. Nos concentramos em muitas e a estrutura do governo para gerenciar o recurso de cada uma foi afetada.”

Por meio de sua assessoria, a gestão França afirmou que a presença do governador na visita técnica de sexta obedece a legislação eleitoral e que as obras são entregues assim que são concluídas, sem haver um planejamento de acordo com o calendário eleitoral.

A linha 4-amarela do metrô só deve ser concluída em 2020, para quando está prevista a inaugaração da estação Vila Sônia. 

“A partir de agora, todo o esforço estará concentrado para a Vila Sônia, onde, além da estação, haverá um pátio de trens e um terminal de ônibus que irá ligar toda a região oeste da Grande SP ao metrô”, afirmou Pelissioni.

Na linha 5-lilás também falta uma estação para ser inaugurada, a Campo Belo. A previsão, neste caso, é de que a parada seja aberta até o final do ano, promete o Governo de São Paulo. Quando estiver pronta, a linha terá a capacidade para transportar até 800 mil passageiros ao dia, segundo estimativa da concessionária ViaMobilidade.

Agora

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.