Descrição de chapéu Obituário Joselindo Santos Silva (1957 - 2018)

Mortes: Tio Bahia virou ícone de Bertioga por criar bebidas exóticas

Bebida batizada de caldo de morcego era atração no bar e na cidade

Fernanda Canofre
São Paulo

Mijo do Hulk, gasolina de avião, acorda corno, chupa cabra, caldo de morcego. Essas eram algumas das bebidas exóticas que sempre estavam no balcão do bar do “Tio Bahia”, em Bertioga, litoral de São Paulo. Todas inventadas por ele e com sua assinatura no rótulo. 

Nascido em Macarani, no interior da Bahia, Joselindo Santos Silva ganhou o apelido logo que abriu o lugar, em 1999. Para São Paulo, ele se mudou na adolescência, com a mãe e sete irmãos, em busca de trabalho. 

Trabalhou como metalúrgico, morou em algumas cidades, até abrir um salão de baile em Itaquaquecetuba ​e virar dono do próprio negócio. 

Em Bertioga, ele chegou depois do fim de 20 anos de casamento com a mãe dos seus dois filhos. A primeira invenção no bar foi o tal "caldo de morcego", uma mistura de cachaça e sete ervas, como aroeira, marapuama e ginseng. 

O nome veio de um frequentador que, estranhando as folhas na garrafa, disse que pareciam com a asa do bicho. Com o tempo e novas bebidas aparecendo no cardápio, Tio Bahia virou um ícone. 

Primeiro, por causa das invenções, depois pelo próprio dono. Uma turma de senhores mais velhos, chegava por lá todos os dias na hora do Jornal Nacional, para discutir política. Mais tarde, quando os jovens começavam a sair, eram eles que iam ouvir conselhos e trocar dois dedos de conversa. 

“Ele era muito extrovertido, brincava com todo mundo. Fosse morador de rua ou o cara mais top, todo mundo ia pra conversar com ele, para brincar”, conta o filho Denis.

No dia 1º de dezembro, Tio Bahia teve um infarto e morreu aos 61 anos. Deixou dois filhos, Denis e Jorge, as noras Romilda e Camila, três netos e um balcão cheio de sobrinhos órfãos. 


coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas


Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.