Descrição de chapéu Tragédia em Brumadinho

Vale se compromete a acabar com barragens como as de Mariana e Brumadinho

Para desativar dez barragens, mineradora vai cortar 10% da produção de ferro e terá custo de R$ 5 bi

Julio Wiziack
Brasília

Em meio ao resgate às vítimas da tragédia em Minas Gerais, a Vale decidiu cortar 10% de sua produção anual de minério de ferro por até três anos para acabar de vez com dez barragens similares às de Brumadinho e Mariana. O modelo, mais barato, se rompeu nas duas cidades.

Esse processo vai custar R$ 5 bilhões à companhia e foi apresentado ao governo nesta terça-feira (29).

“Nosso foco continua no resgate e auxílio às vítimas. Mas esse é um plano de ação, uma resposta cabal da companhia à altura dessa enorme tragédia em Brumadinho”, disse o presidente da Vale, Fabio Schvartsman.

O executivo e outros três diretores da companhia participaram de uma reunião com os ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e com o de Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Segundo Schvartsman, o plano está “muito acima” de qualquer norma legal e foi aprovado pelo conselho de administração da companhia para “fazer de uma vez por todas o que é preciso para selar o sistema de barragem da Vale”.

O executivo afirmou que a companhia opera hoje com um sistema de barragens tradicional (de maciço), que é segura, e que barragens, como as de Mariana (rompida em 2015), e as de Brumadinho, pertencem a outra categoria (método a montante) e estavam desativadas (não recebiam mais rejeitos).

Em Minas, a Vale possuía 19 barragens dessa natureza, das quais 9 já foram integradas ao meio ambiente. Schvartsman apresentou um plano para extinguir as 10 barragens remanescentes. “Não podemos mais conviver com esse tipo de barragem.”

O presidente da Vale afirmou que também apresentou esse plano de ação ao governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) e teve total apoio para seguir adiante.

A empresa terá agora de apresentar, em 45 dias, pedido de licenciamento ambiental à secretaria estadual de meio ambiente.

“Concedida a licença, começamos imediatamente”, disse  Schvartsman.

A integração desses reservatórios de rejeitos de minério obrigará a companhia a interromper a produção de ferro em todas áreas próximas às barragens.

Esse processo deve durar entre um ano e três anos, quando todas as dez barragens estarão plenamente integradas ao ambiente, sem risco ambiental.

Para isso, a empresa terá de cortar até 10% de sua produção por ano (40 milhões de toneladas) ao interromper a produção na região das barragens. Isso acarretará a queda de receita e o retorno para investidores. 

Os cerca de 5.000 funcionários que trabalham na região deverão ser transferidos para outras áreas de produção, segundo Schvartsman.

Esse plano começou a ser definido logo após o rompimento da barragem de Mariana, em 2015.

“Grande parte da diretoria sequer estava na companhia [naquele momento]”, disse. “A maior parte está na companhia há cerca de um ano e meio. A resposta [da empresa] foi olhar no portfólio e ver 19 barragens a montante. Paralisamos todas.”

Enquanto isso, a companhia se comprometeu com o governo estadual e federal a resgatar todas as vítimas e a remover a lama que se alastrou pela região de Brumadinho. 

Barragens

A barragem a montante, como de Brumadinho e Mariana, é erguida por meio de degraus, que ficam sobre os rejeitos de minério. Além dela, existem outros dois tipos de construção: a jusante e por linha de centro.

A primeira cresce na direção da corrente dos resíduos, formando uma espécie de pirâmide que segura a lama. Os alteamentos não são erguidos sobre resíduos, mas a partir do dique de partida. O método pode ser até três vezes mais caro do que aquele a montante e ocupa mais espaço.

Já a barragem por linha de centro é uma espécie de combinação dos dois tipos. Os degraus são erguidos uns por cima dos outros, seguindo uma linha de centro vertical. Alguns ficam acima dos resíduos, outros sobre o dique de partida.

Antes da tragédia nesta sexta-feira (25), iniciativas já haviam sido tomadas para tentar banir o tipo de construção.

O Ministério Público Federal de Minas Gerais, após o rompimento em Mariana, enviou uma recomendação à Agência Nacional de Mineração, na época Departamento Nacional de Produção Mineral, para que não autorizasse mais novas barragens a montante no Brasil, alegando que a técnica é insegura.

Também foi apresentado um projeto de lei em Minas Gerais que propunha o endurecimento das regras de licenciamento para barragens de mineração, mas foi vetado em comissão especial da Assembleia Legislativa em julho do ano passado. Uma outra versão do texto, que proíbe barragens a montante, está em tramitação na Casa.

Pouco antes do rompimento de Brumadinho, a Vale fechou a compra de uma empresa que elimina necessidade de barragens. A New Steel, startup brasileira que desenvolve novas formas de mineração, é responsável pelo desenvolvimento de um processo de extração de ferro a seco.

Ela foi comprada por US$ 500 milhões ( R$ 1,9 bilhão) em negócio anunciado em dezembro e autorizado pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) no início de janeiro. A negociação foi iniciada há dois anos —um depois do desastre de Mariana.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.