Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Se tiver arma de fogo, é para usar', diz Bolsonaro a caminhoneiros

Em Anápolis (GO), presidente incentivou caminhoneiros a pedirem porte de arma de fogo

Talita Fernandes
Anápolis (GO)

​Em almoço com caminhoneiros nesta sexta-feira (31), o presidente Jair Bolsonaro incentivou caminhoneiros a darem entrada no pedido de porte de arma de fogo e afirmou que, quem tiver armamento, deve usá-lo.

“Quanto mais arma, mais segurança. Se tiver arma de fogo é para usar”, disse após ouvir relatos sobre falta de infraestrutura nas estradas do país, o que, segundo os caminhoneiros se traduz por falta de policiamento e vias esburacadas.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante almoço com caminhoneiros em Anápolis (GO), ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) e do ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura)
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante almoço com caminhoneiros em Anápolis (GO), ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) e do ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) - Talita Fernandes - 31.mai.2019

O almoço com os caminhoneiros não estava previsto na agenda do presidente. Segundo sua assessoria, ele decidiu de última hora parar em Anápolis, na estrada que liga Goiânia (aonde se encontrou com representantes de igreja evangélica) e Brasília.

Um dos caminhoneiros contava sobre uma estrada que piorou tanto a ponto de “matar um” ou “destruir o caminhão”.

Depois de ouvir o relato em silêncio, Bolsonaro interrompeu o almoço para dizer: “Pergunta difícil. Porte de armas, a maioria apoia?”

Em resposta, três dos presentes levantaram o braço e aos poucos, após insistência do presidente no tema, outros foram se dizendo adeptos.

“No decreto, eu acabei com comprovar a efetiva necessidade. Por enquanto está um pouco caro aí, mas a gente vai diminuir isso aí. Mas já abriu as portas, dá entrada. Tem um tempo de dois ou três meses que eu botei no decreto para conceder o porte”, disse para um dos homens que demonstrou interesse por se armar.

No início do mês de maio, Bolsonaro editou um decreto —o segundo desde que assumiu a Presidência— que flexibiliza o acesso a armas. Neste último texto é aberta a possibilidade de porte de arma para mais casos, como a políticos, jornalistas e caminhoneiros, por exemplo.

“Eu botei lá na razão de profissão de risco”, disse Bolsonaro sobre a possibilidade de caminhoneiros poderem se enquadrar no texto.

O decreto teve de passar por alterações, depois de ser alvo de questionamentos na sociedade civil, no Legislativo e no Judiciário. Entre as modificações está um trecho que abria espaço para que civis pudessem comprar fuzis.

Os caminhoneiros não pertencem a nenhuma associação ou grupo organizado. O deslocamento foi feito por Bolsonaro e sua equipe de helicóptero e exigiu um reforço na segurança. 

​Ele chegou ao local acompanhado do ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) —escalado para responder as dúvidas dos caminhoneiros— do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO) e do porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros. 

O presidente passou a maior parte do tempo em silêncio, enquanto comia churrasco e bebia coca-cola. Coube a Tarcísio esclarecer as principais dúvidas sobre preço dos combustíveis, frete e outras dificuldades enfrentadas pela categoria.

O local escolhido para o encontro se chama "Presidente posto e churrascaria - um amigo na estrada", onde Bolsonaro chegou por volta de 12h30 e permaneceu por 45 minutos.

Embora tenha dito que a escolha do restaurante foi "aleatória", ao deixar o local, ele disse que sua equipe fez um levantamento sobre a presença de caminhoneiros na região.

"Foi aleatória [a ida para o restaurante]. Foi feito levantamento de ontem para hoje de onde teria mais caminhões neste horário, eu estava vindo de Goiânia e paramos aqui para conversar com os caminhoneiros”, disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.