Mirando expansão de carros elétricos, empresa mineira cria carregador público

Incharge tem equipamento de teste nos Jardins, em SP, e estima cobrar dentro de 2 anos

Francesca Angiolillo
São Paulo

​Enquanto veículos de duas rodas, como as patinetes, podem ter suas baterias carregadas em uma tomada comum, o Brasil tem hoje um déficit de abastecimento para a próxima fronteira da mobilidade elétrica: os carros.

Além dos híbridos, hoje ao menos cinco modelos de automóveis 100% elétricos são comercializados no país. 

A autonomia desses veículos, porém, ainda é limitada a algumas centenas de quilômetros. Como não há eletropostos em cada esquina —há vagas elétricas em lugares como shopping centers—, o uso dos carros movidos a energia limpa é quase só urbano.

Foi a baixa disponibilidade desses equipamentos que levou a Sollus, que fabrica luminárias de LED em Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais, a apostar no desenvolvimento de um carregador público.

Alexandre Abdalla Palis Jr., um dos fundadores da Incharge, explica que um documento elaborado pela General Electric estipula em 1,5 o número de carregadores necessários por veículo para que a rede funcione bem.

Ainda segundo ele, há hoje no país uma frota de 1.000 carros elétricos, e somente 200 carregadores públicos. Santa Rita, não à toa, tem uma alta concentração dos equipamentos: três da Incharge e um carro somente, da empresa de Palis.

Em São Paulo, a Incharge instalou um de seus carregadores na rua Oscar Freire, no estande de um empreendimento imobiliário que terá um “bolsão elétrico” para uso dos condôminos. Por ora, as cargas são gratuitas.

“Você pode ficar o dia inteiro na avenida Paulista e não passar por você nem mesmo um carro elétrico”, diz Palis. A ideia, porém, é que a cobrança venha a acontecer em cerca de um ano e meio, conforme cresça a demanda. 

Por ora, os usuários —cerca de 50— têm acesso aos carregadores em teste por meio de aplicativo. Realizando o cadastro, recebem em casa, em dez dias úteis, um cartão que desbloqueia o carregador sem a necessidade do celular.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.