Senadores contrários a decreto das armas recebem ameaças

Ao menos quatro foram alvos, segundo o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Daniel Carvalho
Brasília

Ao menos quatro senadores que votaram contra o decreto que flexibiliza as regras para posse de armas no Brasil na quarta-feira (12) receberam ameaças, segundo informou o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

De acordo com a presidência da Casa, os alvos de ameaças foram o líder da Minoria, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Eduardo Girão (PODE-CE), Fabiano Contarato (Rede-ES) e Veneziano Vital do Rego (PSB-PB). Na sessão de quarta-feira (12) da CCJ (comissão de Constituição e Justiça), os quatro votaram contra o parecer do senador Marcos do Val (Cidadania-ES), que era a favor do decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O relatório foi derrotado na comissão por 15 a 9 e foi aprovado um parecer alternativo, elaborado por Vital do Rego, contrário ao decreto das armas. O texto será votado no plenário do Senado na semana que vem.
Randolfe recebeu uma ameaça por mensagem de celular e outras quatro em redes sociais.

"Seu filho da puta, você votou na CCJ [contra] o meu direito a ter arma. Seu arrombado. Ganha mais de [R$] 30 mil por mês para fazer merda. Você é meu empregado e, portanto, me obedeça", diz uma das mensagens.

"Vou achar muito civilizado quando um bandido enfiar uma bala na sua cara ou de alguém de sua família. Foda-se o povo, né! Você tem segurança seu fdp", diz outra.

O senador Randolfe Rodrigues durante convenção do partido Rede Sustentabilidade
O senador Randolfe Rodrigues durante convenção do partido Rede Sustentabilidade - Walterson Rosa - 04.08.2018/Folhapress

Como mostrou a coluna Mônica Bergamo na quinta-feira (13), o senador registrou um boletim de ocorrência para comunicar as ameaças.

"Nunca andei com segurança e não vou andar agora. Paradoxalmente, os senadores que defendem o uso de armas é que andam com seguranças", disse Randolfe à Folha.

"Estou sofrendo muita pressão e sendo ofendido moralmente. São mensagens que visam que eu vote contra os projetos de decretos legislativos que suspendem as novas regras para porte e posse de armas, editadas pelo governo federal. Não vou recuar. Não me intimidam", disse Contarato em nota.

Davi Alcolumbre repudiou em nota as ameaças aos senadores.

"Recebi com indignação as notícias de que senadores da República estão sendo ameaçados por defenderem a derrubada do decreto de armas", afirmou o presidente do Senado.

"É, no mínimo, preocupante que o direito e o dever do exercício da atividade parlamentar, legitimado pelo voto do povo, sejam restringidos por meios covardes e, inclusive, de flagrante injustiça e afronta à segurança dos parlamentares."

Davi afirmou que tomará "as providências necessárias para garantir a proteção e a liberdade de expressão constitucional e política de cada legislador".

"Espero, sinceramente, que os que cometem esse tipo de crime repensem seus atos que pesam não só contra a pessoa de cada parlamentar, mas contra a própria manifestação democrática", disse Davi.

Folha não conseguiu contato com Girão e Vital do Rego.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.