Câmara aprova projeto que flexibiliza posse de armas no campo

Texto segue para sanção de Bolsonaro; regra atual permite a posse na propriedade

Angela Boldrini
Brasília

A Câmara aprovou nesta quarta-feira (21) o projeto de lei que flexibiliza as regras para a posse de armas nas regiões rurais do país. 

Foram 320 votos a favor e 61 votos contrários ao texto.

Como o projeto já foi aprovado pelo Senado ele seguirá para sanção presidencial.

A norma altera o estatuto do desarmamento no ponto em que trata do certificado de registro de armamentos. 

A lei atual estabelece que esse certificado autoriza o proprietário a manter a sua arma "exclusivamente no interior da sua residência ou domicílio". Pela proposta agora avalizada pelo Congresso, a permissão fica ampliada para a "extensão do respectivo imóvel rural."  

Na próxima semana, a Câmara deve analisar outra proposta, que muda as leis sobre o porte de armas. 

"Estamos votando um atraso, o direito de mais pessoas terem armas", afirmou Alencar Santana Braga (PT-SP). 

A oposição obstruiu a votação, que durou mais de cinco horas. 

Depois, líderes construíram um acordo para a deliberação do texto sem mais atrasos, contanto que o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Felipe Francischini (PSL-PR), desistisse de pautar uma proposta de emenda à Constituição que altera regras de exploração agrícola em terras indígenas ainda nesta quarta. 

Antes, o paranaense defendia que se retomasse a deliberação caso a sessão do plenário terminasse antes das 22h. 

O projeto, porém, dividiu partidos também entre a esquerda, principalmente em casos de parlamentares ligados a bases do campo.

"Nós estamos fazendo algo que é justo, que é correto, que é decente", disse Pompeo de Mattos (PDT-RS). 

No início do ano, o presidente Jair Bolsonaro editou decretos sobre o tema. Eles, no entanto, terminaram derrubados pelo Senado e depois revogados pelo governo.

Com isso, deputados e senadores ligados ao campo e ao governo se comprometeram a passar parte do conteúdo dos decretos presidenciais por meio de projeto de lei. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.