Descrição de chapéu Dias Melhores

Alunos de direito da USP liberam R$ 3 milhões para reforma de prédio para estudantes pobres

Verba virá de fundo do centenário centro acadêmico; assembleia reuniu mais de mil pessoas

Angela Pinho
São Paulo

Em uma das maiores assembleias da história recente, estudantes da Faculdade de Direito da USP aprovaram a destinação de R$ 3 milhões para reformar o prédio onde vivem alunos de baixa renda.

Inaugurada em 1947, a Casa do Estudante, na avenida São João (centro de São Paulo), sofre há anos com problemas de estrutura. Falta pintura, corredores não têm luz, fiação e encanamento estão expostos e quedas de luz são constantes.

Com dívida de IPTU, em 2016 o prédio de dez andares quase foi a leilão —suspenso após depósito de uma garantia pelo Centro Acadêmico XI de Agosto, proprietário do edifício.

 
Prédio onde fica a Casa do Estudante em foto de 2016, com pichações
Situação da Casa do Estudante, na av. São João, em 2016 - Luiz Carlos Murauskas - 24.mai.2016/Folhapress

A diretoria atual da Casa discute uma saída jurídica para o débito e argumenta que a entidade tem direito a isenção por ter caráter assistencial. A maioria não paga nada para viver no local; os que podem arcam com R$ 70 mensais.

Os R$ 3 milhões para a reforma do imóvel, aprovados em assembleia que reuniu mais de mil alunos da São Francisco, virão de um fundo de investimento do centro acadêmico que tem hoje R$ 11 milhões, explica Laura Arantes, 23, presidente da entidade estudantil.

Com 116 anos de existência, o XI de Agosto tem um patrimônio constituído por doações, locação de imóveis e recursos oriundos de ações da antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro.

O dinheiro ajuda a bancar as entidades estudantis e outras iniciativas, como o Departamento Jurídico, que oferece assistência gratuita à população.

Além do aporte do centro acadêmico, outros cerca de R$ 2 milhões para as obras na Casa do Estudante devem vir de um financiamento coletivo já concluído, que angariou cerca de um quarto desse valor, e de outras contribuições privadas. A arrecadação dos recursos, bem como outras questões referentes às obras, está a cargo do professor e advogado Vinicius Marques de Carvalho.

Sob a direção do professor Floriano de Azevedo Marques Neto, a Faculdade de Direito da USP tem apostado em parcerias para melhorar a estrutura do prédio no largo São Francisco e bancar outras ações, como bolsas de estudo.

As iniciativas ocorrem em um momento de mudança no perfil da faculdade, após a adoção de políticas de cotas.

Entre os que chegam estão estudantes como Italo Araujo, 20, e Letícia Chagas, 19.

Quando soube que tinha passado na São Francisco, Italo, que é cearense, começou uma busca frenética por moradia, conta. Sem sucesso, chegou a marcar a passagem de volta para o Ceará, até que uma veterana da faculdade escreveu para ele e falou sobre a residência. Ele está no segundo ano do curso.

 

Um lugar para viver também era fundamental para Letícia, que morava em Campinas e, como Italo, também ingressou por meio da política de reserva de vagas. Seus pais, uma empregada doméstica e um motorista de caminhão aposentado, não tinham condição de bancar moradia para ela em São Paulo. 

Negra, ela diz que a graduação em direito representa a derrubada de uma barreira. “Sempre senti que o direito não era para mim. São raras as advogadas como eu.” No segundo ano de curso, já tem certeza que sim, a área jurídica é para ela. “A Casa me permitiu”, afirma.

Segundo Letícia, que preside a residência, a reforma deve dobrar o número de alunos que vivem no local —atualmente são 54.

Para isso, os apartamentos serão reconfigurados. Hoje, cada um deles tem dois quartos amplos. A planta será modificada para incluir cozinha e sala nas unidades. Com a criação dessa área de uso comum, os estudantes concluíram que era possível colocar dois moradores por quarto —foram os residentes da Casa que correram atrás do projeto arquitetônico, além de se mobilizarem para a assembleia.

A estrutura elétrica também será revitalizada, assim como o terraço, e serão criados espaços coletivos para estudo, por exemplo. No lugar das lojas que hoje ocupam o térreo do prédio, haverá áreas de convivência abertas a todos os franciscanos.

Para a presidente do XI de Agosto, a reforma tem a ver com a nova fase de democratização do acesso por que passa a faculdade. “O perfil dos estudantes da Casa é o que a gente quer ver cada vez mais na São Francisco.”

 
 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.