Descrição de chapéu Obituário Jose Hugo Sabatino (1941 - 2019)

Mortes: Defensor do parto de cócoras, ajudou a humanizar a medicina

Jose Hugo Sabatino lutou pelo parto humanizado no Brasil

São Paulo

A medicina deve muito ao médico e professor aposentado do Departamento de Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Jose Hugo Sabatino, um dos precursores do parto 
de cócoras no Brasil.

“Ele defendia o parto humanizado desde a década de 1990, época em que a modalidade não era bem aceita. Jose Hugo foi um revolucionário, um cientista romântico que viveu à frente do seu tempo”, comenta o amigo Paulo César Giraldo, 63, professor titular do mesmo departamento na Unicamp.

Jose Hugo Sabatino
Jose Hugo Sabatino - AntonioScarpinetti/Ascom/Unicamp

Jose nasceu em Mendoza, na Argentina. Também morou em Córdoba, onde cursou medicina. Em 1975, foi convidado a integrar o corpo docente da Unicamp pelo então reitor, professor Zeferino Vaz.

A partir de 1984, começou a desenvolver vários projetos de pesquisa e criou o maior banco de dados perinatais do país.

Ainda na década de 1980, formou o Grupo de Pesquisa e Assistência Parto Alternativo, no Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti, com o objetivo de simplificar e humanizar o atendimento médico do nascimento. 

Apesar da importante trajetória, Jose não tinha ambição nem apego a questões materiais. 

Sua segunda esposa, a psicóloga Sílvia Nogueira Cordeiro, 49, lembra do carinho e do amor que tinha pela família e da perseverança em relação aos ideais como médico. Era muito apegado aos filhos. 

Autor de muitas publicações e artigos, Jose lançou seu quinto livro –“Apologia da Mentira”– em 2019.

Jose Hugo Sabatino morreu no dia 18 de novembro, aos 78 anos, de AVC hemorrágico. Separado, deixa seis filhos e três netos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.