Descrição de chapéu Folha Verão

Praias paulistas como Ilhabela e São Sebastião têm piora na qualidade da água

Na ilha, pontos com classificação negativa saltaram de 4 para 11 no ano; rede de esgoto é insuficiente

Vista aérea de bairro litorâneo com mar e faixa de areia abaixo à direita, avenida ao centro e telhados de casas

Praia de Itaquanduba, em Ilhabela, cuja classificação de qualidade das águas caiu em quatro anos de regular para ruim e agora para péssima Eduardo Anizelli/ Folhapress

Ilhabela (SP)

Apenas sete pessoas ocupavam a faixa de areia de pouco mais de cem metros em pleno final de semana em Ilhabela. Quatro delas disputavam uma partida de beach tennis, um casal de namorados tomava sol em toalhas estendidas no chão e a sétima lia um livro. Dentro do mar ninguém estava, apesar de os termômetros cravarem temperaturas acima de 30ºC e de o sol ter surgido após dias seguidos de chuvas.

Uma bandeira vermelha colocada no local mostrava que a praia de Itaquanduba estava imprópria para banho. Não só naquele dia, aliás —mas, desta vez, a classificação ruim dos dois anos anteriores virou péssima em 2019, em 37 das 52 medições feitas pela Cetesb (companhia ambiental de SP) entre o fim de 2018 e outubro deste ano ela foi considerada imprópria.

Pela primeira vez desde que o levantamento sobre a balneabilidade das praias passou a ser feito pela Folha, para o verão de 2017, nenhum dos 19 pontos de monitoramento em Ilhabela foi classificado como bom. Ou seja, não houve nem um ponto sequer considerado próprio em todas as medições.

 

E, enquanto em 2018 houve 4 pontos classificados como ruins, neste ano as classificações negativas chegaram a 11 —3 péssimas e 8 ruins. De 7 praias boas em 2017, em 2018 havia 2 e, agora, nenhuma.

A avaliação da Cetesb é de que, a partir de outubro do ano passado, as chuvas prejudicaram a qualidade das praias, que passaram a ter um número grande de locais impróprios não só em Ilhabela mas no litoral de maneira geral. Por quatro anos até 2017, as praias vinham apresentado melhora na qualidade da água.

“Ilhabela tem ocupações irregulares, nelas não é possível colocar rede de esgoto. Se tiver irregulares vai continuar tendo isso [praias impróprias]. Outra questão é a sazonalidade, pois no verão tem fluxo de turistas que vai passar férias, muitas vezes o dobro da população numa estação chuvosa. Junta dois fatores que não contribuem para a qualidade da praia”, disse Claudia Lamparelli, gerente do setor de águas litorâneas da Cetesb.

Em todo o estado, o total de pontos considerados péssimos quase dobrou, passando de 16 para 29 entre os 177 locais monitorados.

Na vizinha São Sebastião, 4 dos 30 pontos monitorados foram classificados como péssimos (ante 1 no ano passado). Já o total de praias boas, 9, se manteve em relação ao ano anterior.

Sem saneamento básico, as chuvas intensas transportam mais rapidamente tudo que estava nos rios para o mar, o que acaba aumentando o nível de infecção fecal.

De acordo com a Cetesb, a cobertura da rede de esgoto de Ilhabela é a menor do litoral, e as soluções de saneamento são difíceis devido à existência de bairros isolados.

“Tudo dificulta as soluções, há ocupação irregular em morro e quando chove lá, estudos mostraram que para a água do córrego descer a serra e chegar à praia é questão de 10 a 15 minutos. Se tem chuva forte, a poluição é carreada para a praia com muita rapidez. E Ilhabela teve 32% de crescimento populacional nos últimos dez anos, enquanto a média do estado é de 10%. Muitas vezes o saneamento não consegue acompanhar esse crescimento”, afirmou a gerente.

Além das chuvas constantes até março, houve picos em maio e junho, que elevaram o número de praias impróprias. Segundo Claudia, analisando-se os quatro municípios do litoral norte —Ilhabela, São Sebastião, Ubatuba e Caraguatatuba— houve aumento no total de praias boas e queda no número de péssimas.

Além de Itaquanduba, as praias de Itaguaçu e Perequê foram classificadas como péssimas em Ilhabela.​

O levantamento da balneabilidade em São Paulo tem como objetivo, segundo a gerente, mostrar onde há necessidade de investimentos a órgãos públicos e também informar a população, para que escolha uma praia em que não correrá riscos de ter problemas de saúde.

As medições semanais da Cetesb são disponibilizadas no site da companhia (www.cetesb.sp.gov.br) e num aplicativo para smartphones.

“A classificação é bem rigorosa. Às vezes acontecem, como em 2018 e 2019, episódios eventuais para a praia cair de categoria, mas isso não quer dizer que a praia piorou de qualidade. Não é que deixou de ser boa, mas teve um evento que a mudou de categoria”, disse.

Se o verão não for muito chuvoso, pode ser que haja melhora na qualidade das praias em 2020, ainda segundo a gerente de águas litorâneas.

Sobre os problemas envolvendo saneamento básico, a Prefeitura de Ilhabela informou, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, que tem feito investimentos para solucionar questões históricas.

Um deles é a implantação de 24 km de uma rede coletora entre os bairros Praia Grande e Veloso, na região sul, dos quais 4 quilômetros estão concluídos.

A administração afirma que os investimentos em tratamento de esgoto ultrapassam R$ 160 milhões e que está em andamento licitação para adequações e complementações de estações elevatórias de esgoto.

Um dos usuários da praia de Itaquanduba citados no início do texto, o analista judiciário Danilo de Magalhães Lescreck, 41, que lia um livro sentado em uma cadeira, disse que chegou a entrar na água momentos antes de a Folha chegar ao local.

“Sou de Santos, acho que tenho casca dura já. Não só em Ilhabela, mas esse problema de saneamento é negligenciado pelos governos. É uma obra que não aparece, mas tira o prazer e a qualidade de vida das pessoas”, afirmou.

Em Santos, os sete pontos monitorados foram classificados como péssimos. Um dos pontos de medição na praia José Menino, por exemplo, foi classificado como imprópria em 39 das 52 medições.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.