MST planeja plantar 100 milhões de árvores pelo Brasil em dez anos

Plano surgiu em resposta ao Sínodo da Amazônia e a alta no desmatamento, diz coordenador

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) planeja plantar nos próximos dez anos 100 milhões de árvores nativas e frutíferas em assentamentos da reforma agrária e cidades vizinhas. 

O tema ganhou força nos debates do MST após as declarações do papa Francisco no Sínodo da Amazônia e depois da divulgação de números mostrando o aumento de desmatamento e de queimadas na região. O MST foi representado no Sínodo por dois delegados populares da Amazônia.

O projeto “Plantar árvores, produzir alimentos saudáveis” será anunciado pelo MST no encontro da sua coordenação nacional, em 25 de janeiro.

“Nossa meta é essa [100 milhões de árvores em dez anos], mas imaginamos que é possível alcançá-la antes”, diz João Pedro Stédile, coordenador nacional do movimento.

Nos estados de Goiás, Rio Grande do Sul e Ceará foram lançados projetos-piloto de plantio com mudas produzidas em viveiros dos próprios assentamentos.

O próximo passo é multiplicar esses viveiros em parcerias com prefeituras e governos estaduais para depois distribuir as mudas à militância e a todos os que quiserem participar da campanha.

Em Minas Gerais, com um projeto financiado pela Fundação Renova, o MST está cedendo mudas de seus viveiros para a Vale reflorestar as margens do Rio Doce e de seus afluentes, além de estar recuperando os assentamentos atingidos pelas inundações. 

Como tudo no MST, a ideia não teve pai, mas é resultado de debates dos assentados sobre a importância da preservação das florestas, desde que surgiram os primeiros acampamentos de sem-terra, no início dos anos 1980.

“No Paraná, a área total de preservação de florestas dentro de assentamentos é de aproximadamente 180 mil hectares, exatamente a mesma de todas as unidades de conservação mantidas pelo poder público”, diz Stédile.

No plano encaminhado às direções estaduais, o MST prevê a criação de conselhos de apoiadores, com professores, técnicos e grupos de ONGs, para desenvolver técnicas de plantio e mapear os viveiros e casas de sementes que existam na região. 

“Mais do que reflorestamento, devemos falar em sistemas produtivos com árvores. Diante da diversidade de biomas que temos em nosso país, precisamos desenvolver diferentes formas de agroflorestas, quintais produtivos e policultivos para cuidar dos bens comuns”, diz o documento.

Uma das preocupações é levar também o projeto a áreas urbanas, em uma ação articulada com as comunidades, para plantar mudas em praças, canteiros centrais e beiradas de córregos, além de recuperar áreas abandonadas e erodidas em cidades. 

Outro objetivo é a produção de alimentos saudáveis e o cuidado com os bens comuns (água, solo, biodiversidade e minérios).

No documento, o MST acusa o atual governo de estimular crimes ambientais ao destruir legislações e desmantelar órgãos de controle e políticas públicas.

Nos encontros estaduais já realizados, os dirigentes se comprometeram a participar da campanha nacional. Na Bahia, cada uma das dez regiões nas quais o MST está organizado ficará responsável pelo plantio de 100 mil árvores em 2020.

“Aqui em Alagoas estamos lançando a campanha com o compromisso de envolver toda nossa base acampada e assentada na tarefa de não somente de plantar árvores mas também de sermos verdadeiros guardiões dos bens naturais em nosso território”, diz Gilberto Barden, da coordenação estadual do MST. 

O plano “Plantar árvores, produzir alimentos saudáveis” lembra que se trata de um esforço de longo prazo, “pois o tempo das árvores é de plantio, cuidado, manejo e colheita, e para isso é necessário fazermos um sério e rigoroso planejamento”.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.