Fetiche por leite materno impulsiona fakes na internet e assédio a mães

Criminosos criam contas em redes sociais para enganar lactantes e roubar fotografias de amamentação

Rio de Janeiro

Combinaram um “mamaço virtual”: todas as mães colocando nas redes sociais uma foto amamentando. Queriam protestar contra um espaço cultural que proibira uma mulher de nutrir seu bebê ali.

O segurança justificou dizendo ser proibida a alimentação no lugar, lembra Patrícia Russo, 48, dona de um café. Balela, diz. “O que estava incomodando era a mulher de peito de fora. Tenho certeza que se fosse mamadeira seria tudo bem.”

Russo se solidarizou e trocou sua imagem de perfil por uma com suas filhas de três anos, e para impactar mesmo. “Amamentar gêmeas publicamente causa. Aprendi várias posições, falo que é o Kama Sutra da amamentação.”

Passou um tempo, e uma amiga veio perguntar por que uma tal de Maria Rosa solicitou a amizade dela no Facebook —com a imagem da empresária com as gêmeas. 

“Levei um susto: entrei no perfil da pessoa, e estava lá minha foto mesmo. Algum tarado pegou do meu perfil.”

Referências aos “tarados”, da internet e das ruas, multiplicam-se entre mães lactantes. Seriam homens eriçados por seus seios expostos, mas não só. Há um fetiche específico para quem se excita com amamentação: lactofilia.

Patrícia Russo, 48, que teve uma foto amamentando gêmeas roubada por 'um tarado' no Facebook
Patrícia Russo, 48, que teve uma foto amamentando gêmeas roubada por 'um tarado' no Facebook - Karime Xavier / Folhapress

Há sites dedicados a esse desejo, justificado por um deles assim: “É muito gostoso para quem não tem nenhum preconceito idiota em voltar à provar o líquido que provém dos peitos, uma vez que todos nós já fomos amamentados quando crianças e muitos beberam do leite das vacas”. 

Casos assim não costumam virar ocorrência policial. A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática do Rio diz nunca ter lidado com uma denúncia do gênero.

Não há previsão no Código Penal para essa conduta específica, mas ações que a caracterizam podem ser enquadradas em vários crimes, diz Thiago Tavares, da ONG SaferNet Brasil, como uso indevido de imagem e delito de falsa identidade, que dá até um ano de prisão.

Se o réu for primário, o mais comum é que sofra sanções mais leves, como pagar cesta básica.

Há cantos em que a fantasia extrapola a interação a dois. Em Tóquio, por exemplo, há bares nessa linha, como o Bonyu. Reportagem do Japan Daily diz que um shot de leite materno “direto da fonte” saía por cerca de R$ 200.  

Esse fetiche, contudo, pode resvalar num transtorno parafílico: impulsos sexuais que colocam em risco crianças (no caso da pedofilia) ou adultos que não consentem com a prática na qual acabam involuntariamente envolvidos.    

A advogada Ana Renkert, 39, viu-se alvo quando voava de Londres para o Brasil e alimentava a filha de quatro meses. “Sempre tive os seios fartos, e amamentando eles estavam muuuuito grandes. Mas, mesmo assim, nunca tive medo ou timidez de colocá-los para fora quando precisava amamentar.” 

Ela estava na primeira fila da classe econômica, perto do banheiro. Formou-se uma fila. “Quando olhei, havia um cara de seus 50 anos olhando fixamente para os meus peitos. Meu constrangimento foi visível. Quando meu marido o olhou, ele instantaneamente virou a cara.”  

Renkert sempre se achou uma mulher de atitude. Mas, na hora, “fiquei sem reação, porque nunca achei que fosse acontecer isso”. 

Muitas vezes o achaque é virtual. Nem por isso os danos são menos reais, assim como nem sempre a erotização do gesto se restringe a um punhado de fetichistas. 

Em 2019, um site de fofocas dizia: “Isis Valverde mostra os peitos em foto íntima e faz grande anúncio: ‘hoje tem’”. A atriz, na verdade, tinha escrito que “hoje tem amor de mãe” ao posar com o neném.

Fotografia de Isis Valverde que virou alvo de site de fofocas
Fotografia de Isis Valverde que virou alvo de site de fofocas - Reprodução/Instagram

A humorista Tatá Werneck, que teve a primeira filha em outubro, saiu em sua defesa: “Não bastasse constrangimento que as mulheres sofrem quando querem amamentar seus filhos em público. Parem de sexualizar uma mulher amamentando seu filho!”. 

Nas redes sociais, pululam perfis falsos que forjam uma desculpa para persuadir mães a ceder imagens de aleitamento, ou para roubar as fotos das contas reais. A obstetriz Ana Cristina Duarte, 54, virou uma caçadora desses fakes.

 “O modus operandi dessas pessoas é começar a pedir amizade no Facebook, conseguir umas cinco aprovações de gente que não se preocupa em filtrar solicitações”, diz. “Aí muita gente vai aceitando porque já tem ‘amigos em comum’.”  

Com a relação digital selada, a pessoa vai pegando fotos que, segundo Duarte, “podem ser trocadas entre pessoas com a mesma perversão, como fazem os pedófilos”. 

Ela aprendeu a sacar quem é fake. Muitas das contas são estrangeiras e sem fotos pessoais, diz. “Em várias, quando você entra na lista de amigos, são mulheres com bebês.”

Há outras pistas para identificar se a pessoa é quem realmente diz ser. Caso de perfis que não são reais tendem a não ter muitas atividades, diz Fabio Malini, coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura, da federal do Espírito Santo.

O desconfiômetro também apita se a variedade de fotos for baixa. “Usuários comuns vão trocando de imagens e deixam [as antigas] disponíveis publicamente.” 

Duarte diz que, nos últimos anos, fez campanha para derrubar vários fakes no Facebook. Recentemente, conta, uma amiga foi acionada pelo perfil de uma suposta fotógrafa. Tudo batia: “Estrangeira, sem fotos pessoais”. 

A amiga em questão: a fisioterapeuta e doula Tatiane Letícia Alves, 32. Uma tal de Andreya Nunes a procurou. Dizia ser uma portuguesa que faria a primeira mostra fotográfica, sobre maternidade, com mulheres de todo o mundo. 

“Até aí, não desconfiei. Então ela perguntou se eu não poderia fazer um vídeo ordenhando e enviar para ela. Achei bem estranho. Exposição de fotos com vídeo?”

A reportagem adicionou a conta de Andreya, que parou de responder após questionamentos sobre o trabalho.

Procurado, o Facebook disse que removeu o avatar por violar suas políticas, que não permitem contas falsas. 

Outras mulheres relatam dificuldade em convencer a empresa a retirar com avatares falsos, pois muitos se apresentam como mulheres amamentando, e a princípio a rede social diz não ver problema nisso. Sua política sobre nudez veta mamilos descobertos, mas abre exceções, como para mães lactantes.

A advogada Thaís Peres Lucas, 34, horrorizou-se com comentários num retrato com sua filha de então seis meses. Fuçando o perfil da mulher que os escrevia, descobriu um telefone que o dono do perfil deixou. Sim, era um homem.

“Foi fácil achar o perfil real do ser humano. Ele trocava mensagens nojentas com outras pessoas sobre amamentação e crianças. Meu marido se passou por uma pessoa interessada pra ver o que ele falaria. Um nível sórdido.” 

Coisas como “ai, que bebê delicinha, dá vontade de comer com vontade”, lembra.

Não foi a única vítima. “Na época eram umas 20 mulheres e bebês expostos só do grupo [no Facebook]. Cheguei a ir na delegacia com mais de 200 folhas de material, mas precisávamos adequar a representação de todos, e a logística ficou inviável.”

A advogada decidiu, então, enviar os documentos à esposa do homem. Os dois tinham uma filha pequena. “Ela chegou a me ligar uma vez. Nunca mais soube dos finalmentes.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.