Fiquei chocado com o volume de terra, diz Doria sobre deslizamentos com 16 mortos no litoral

Governador não descarta novos desabamentos; entre os mortos está um bombeiro

Santos

O volume de terra dos deslizamentos no litoral sul de São Paulo, que já resultaram em 16 mortos além de 34 desaparecidos, foi acima do normal e obriga que pessoas em áreas de risco deixem suas casas, afirmou o governador João Doria. 

Entre os mortos está um bombeiro que socorria vítimas no Morro do Macaco Molhado, em Guarujá —outro bombeiro no mesmo local está desaparecido; a informação inicial era que estaria morto. Do total de mortes, 14 foram em Guarujá, uma em Santos e uma em São Vicente. 

"Fiquei bastante chocado com o volume de terra, com os desabamentos. Isso me impressiona muito e teremos chuvas até quinta-feira, de acordo com a meteorologia, Então as pessoas tem que aceitar as orientações e saírem imediatamente de suas casas para pontos provisórios ou, se não, aos abrigos", afirmou Doria durante entrevista coletiva no início da tarde desta terça-feira (2) na Prefeitura de Santos.

"As chuvas equivaleram a um mês todo, são volumes nunca antes vistos. Isso demonstra que a mudança climática exige atenção do governo, não é uma questão pontual, é um problema muito maior."

O governador informou que o estado irá disponibilizar recursos para o aluguel social para quem precisar abandonar seu imóvel, porque "muitas das casas são irrecuperáveis". Serão destinadas, pelo governo estadual, quatro toneladas de alimentos para a população atingida.

O fato de ter morrido um profissional treinado como um bombeiro, segundo Doria, preocupa. "Por circunstâncias às vezes esses heróis pagam com suas vidas". 

O governador não descartou que ainda há risco de mais desabamentos e que o levantamento está sendo feito de forma gradual dos que estão desalojados e desabrigados. Há abrigos em Santos, São Vicente e Guarujá, as cidades mais afetadas. 

"É difícil prevenir tragédias dessa natureza. São centenas de habitações em lugares irregulares, é um trabalho de longo prazo, não de curto prazo de retirar as pessoas de encostas e colocar em lugares seguros." 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.