Descrição de chapéu Coronavírus

Ceará compra 90 toneladas de EPI e testes direto da China

Estado é o terceiro com mais casos de coronavírus no Brasil

São Paulo

O governo do Ceará recebe neste domingo (26) um avião que contratou para trazer da China um carregamento de cerca de 90 toneladas de EPI (equipamento de proteção individual) e testes para o enfrentamento do coronavírus. O estado é o terceiro do país com o maior número de casos confirmados da doença, 4.800 neste sábado (25).

A estratégia de comprar insumos médicos de outros países tem sido adotada por outros estados. A medida, segundo os governos, é necessária diante da demora na distribuição dessesmateriais pelo Ministério da Saúde.

Caminhão vaporizador nas ruas de Fortaleza
Caminhão vaporizador roda por bairros de Fortaleza para lançar substância desinfetante contra o vírus - Prefeitura Fortaleza / Divulgação

Neste sábado, o ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou que, até o fim deste mês, fará a entrega de 272 respiradores hospitalares para os estados. Essa primeira leva representa aproximadamente 2% do total previsto pela pasta.

Segundo a Secretaria da Saúde do Ceará, a taxa de ocupação de leitos de UTI está em 74,4% no estado. Há dificuldade para ampliar o número de leitos dessa complexidade por falta de equipamentos no mercado.

Maranhão

Outros governadores também recorreram à compra direta de insumos com a China. Foi o caso do Maranhão, que montou um plano, com o envolvimento de 30 pessoas e custo de R$ 6 milhões, para conseguir importar respiradores e máscaras chinesas.

A operação é alvo de investigação da Receita Federal. Revelada pelo Painel, a operação envolveu o envio dos respiradores para a Etiópia, para escapar dos radares dos Estados Unidos e Europa, e o fretamento de um avião de Guarulhos para São Luís.

Segundo os envolvidos, o desembaraço na Receita foi feito no Maranhão, e não em São Paulo, para evitar o risco de que os equipamentos fossem retidos. A Receita afirma que não houve licenciamento prévio da Anvisa.

A estratégia foi montada depois que o governo do Maranhão, comandado por Flávio Dino (PC do B), reservou respiradores três vezes e foi atravessado pelo governo federal, pela Alemanha e pelos Estados Unidos. Dino tem afirmado que a estratégia só foi adotada após pedidos de ajuda terem sido recusados pelo governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Erramos: o texto foi alterado

Ao contrário do que dizia versão original deste texto, a compra de insumos foi feita pelo governo do Ceará, sem cooperação com outros estados do Nordeste. O texto foi atualizado. 

 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.