Segurança diz que não houve discussão com Beto Freitas antes de espancamento no Carrefour

Em depoimento, ele afirmou que ouviu pelo rádio um chamado de ajuda no caixa e que não teve intenção de matar

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Porto Alegre

Giovane Gaspar da Silva, 24, um dos dois seguranças do Carrefour presos pela morte de Beto Freitas, 40, afirmou à polícia que não houve discussão antes da agressão. Ele disse também que não teve a intenção de matá-lo.

Logo após a prisão em flagrante, ele havia optado por permanecer em silêncio, mas, nesta sexta-feira (27), falou em depoimento à Polícia Civil durante cerca de quatro horas.

Segundo a delegada Vanessa Pitrez, do Departamento de Homicídios, o inquérito foi prorrogado por mais 15 dias para esclarecer não só as circunstâncias da morte como também a motivação e a responsabilidades de cada uma das pessoas envolvidas.

“A intenção dele [segundo o depoimento] era tão somente de imobilizar a vítima [Beto] em razão de que, depois de ela tê-lo atingido com um soco, teria ficado extremamente agressiva”, disse Roberta Bertoldo, delegada responsável pelo caso, sobre o depoimento.

Silva, que é policial militar temporário e estava no seu primeiro dia de “bico” como segurança, afirmou que ouviu pelo rádio que o caixa 25 solicitava ajuda. “Chegando lá, avistou a vítima olhando, nas palavras dele, um tanto brava, para a fiscal. Ele teria batido no ombro da vítima e perguntado se estava tranquilo, se estava tudo bem,. Ao que a vítima respondeu que estava tranquilo, virou as costas”, disse a delegada.

O segurança disse que não sabia o que tinha ocorrido e resolveu ir atrás. Nesse momento, ele teria sido atingido pelo soco de Beto. Segundo a delegada, ele assumiu que “de fato, deu socos e chutes, no sentido de conter a situação”.

A defesa de Silva já havia negado a intenção de matar Freitas ou uma motivação racista para as agressões e levantou também a hipótese de que a vítima possa ter morrido em decorrência de um ataque cardíaco.

“A perícia também traz como provável causa um ataque cardíaco. Suspeita-se também que o senhor João Alberto estaria sob efeitos de entorpecentes tamanha a força que ele tinha no momento. Ele também tinha os olhos soltados e a íris expandida”, disse o advogado de defesa, David Leal.

Imagens mostram que Beto Freitas foi asfixiado por quase quatro minutos, diante de 15 testemunhas, após ser espancado por pelo menos dois minutos por Silva e pelo segurança Magno Braz Borges.

À Folha a delegada afirmou que “nada justifica” a violência praticada contra ele. “Muito se fala sobre a vida pregressa da vítima, sobre ter causado algum embaraço anterior no supermercado. Apuramos tudo para entregar o inquérito mais completo possível à Justiça, mas nada muda o teor da violência. A reação foi desproporcional”, diz.

Além dos dois seguranças que agridem Beto Freitas, é possível ver no vídeo a fiscal do supermercado Adriana Alves Dutra filmando e observando o espancamento sem interferir na ação. Ela foi presa na última terça-feira.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.