Descrição de chapéu Obituário Adenilza Lázara de Souza (1974 - 2021)

Mortes: Deu amor e acolhida a mães e bebês

Adenilza Lázara de Souza era especialista em amamentação e parto humanizado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A enfermeira Adenilza Lázara de Souza uniu a paixão por crianças ao desejo de trabalhar com o público e decidiu seguir carreira na área da saúde.

Subiu degrau por degrau. Começou como auxiliar de enfermagem, graduou-se na mesma área, na Uninove, e ainda investiu em pós-graduação em enfermagem obstétrica e amamentação.

Da segunda nem conseguiu apresentar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso). Infectada pelo coronavírus, Adenilza morreu dia 27 de fevereiro, aos 47 anos.

O esposo Fernando Aparecido dos Santos, 57, policial militar da reserva, conta que ela era adepta aos procedimentos humanizados.

Adenilza Lázara de Souza (1974-2021) e o marido Fernando Santos
Adenilza Lázara de Souza (1974-2021) e o marido Fernando Santos - Arquivo pessoal

“Ela adorava trabalhar com partos, aproveitando a experiência dos muitos estágios que fez. Em congressos e cursos, sempre tentava se especializar para oferecer o melhor serviço. A Adenilza era dedicada e gostava muito do que fazia”, diz Fernando.

A jornalista Adriana Küchler, 39, a conheceu num coletivo de mães. Adenilza as auxiliava para a amamentação.

“Ela era carinhosa, paciente, tão apreciada e querida pelas mães que elas passavam o contato dela como se fosse um presente. A Adenilza ia além do profissional. Ela conversava, passava conforto e ajudava as mães em seus momentos de fragilidade. Pegava as mães pelas mãos e cuidava delas. Tinha o olhar duplo, para a mãe e o bebê”, conta.

“Em algum momento, vou contar à minha filha como ela foi importante para dar de mamar a ela”, completa Adriana.

Em 2018, Adenilza aproveitou a aposentadoria de Fernando e preparou a mudança para uma cidade mais tranquila. Em maio de 2021, o casal completaria 30 anos de matrimônio. Juntos tinham quatro filhos.

Adenilza prestou concurso para o cargo de enfermeira obstetra na prefeitura de Miracatu (138 km de SP), foi aprovada e tomou posse em abril de 2020, quando mudou-se para o município.

Ela e Fernando se conhecerem num ônibus, em 1989. Ambos moravam em Campo Limpo (zona sul) e trabalhavam no centro.

Apaixonada por animais, Adenilza tinha quatro gatos e um cachorro, e cuidava de 11 gatos abandonados. Era vidrada em livros e filmes de temas relacionados à família.

“A lição mais bonita que ela nos deixou foi a do amor ao próximo. Foi o que ela praticou em sua vida”, afirma Fernando.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.