Em reunião com senadores, Weintraub diz que Enem não foi feito para corrigir injustiças

Ministro da Educação afirmou que não vê motivo para adiamento da prova

Brasília

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) não será adiado e que não foi feito para corrigir injustiças. A declaração foi dada nesta terça-feira (5) em reunião virtual com senadores.

Congressistas têm defendido o adiamento das provas desde o início do isolamento social e do cancelamento de aulas por causa da pandemia do novo coronavírus. A falta de acesso à internet a todos os estudantes que estão sem aulas presenciais, que tende a prejudicar mais os alunos da rede pública, é um dos principais argumentos usados por senadores. Segundo eles, o ministro se mostrou indiferente à questão.

A Folha pediu um posicionamento do MEC (Ministério da Educação) sobre as declarações do ministro, mas a pasta informou que não vai se manifestar a respeito.

"A maioria dos senadores defende que o Enem seja adiado, mas o ministro acha que não deveria ocorrer. Ele não considerou nem o fato de que parte dos jovens não tem acesso à internet", disse o líder do PSD, Otto Alencar (BA).

"Ele disse que sabe que existem injustiças, mas que Enem não foi feito para corrigir injustiças, mas para selecionar", afirmou o senador.

De acordo com Alencar, o ministro afirmou que nem todas os estudantes que realizam as provas têm as mesmas chances e que isso não justificaria um adiamento.

"O ministro chegou a dizer que existem pessoas que são mais inteligentes e outras que têm pouca inteligência. Achei tão absurdo quando ele falou isso que tive vontade de sair da reunião. É muito absurdo ouvir isso", disse.​​

A reunião em que Weintraub falou aos senadores foi convocada pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Os líderes presentes no encontro não sabiam da participação do ministro.

"Ninguém foi avisado que o ministro estaria. Fomos surpreendidos agora, com o presidente chamando o ministro para falar", contou o líder do PSL, Major Olímpio (SP).

Alcolumbre começou a reunião dizendo que chamou o ministro para que ele pudesse falar sobre o Enem, já que existem projetos no Senado que pedem o adiamento das provas devido à pandemia. O ministro garantiu que não haverá adiamento das provas.

A Folha pediu à assessoria do Senado a gravação do encontro, mas foi informada que reunião de líderes "é fechada" e, portanto, "não é gravada", mas a reportagem ouviu a declaração do ministro na reunião.

Desde que as sessões virtuais começaram a ser realizadas, nem mesmo as conversas dos senadores antes das votações estão sendo transmitidas.

Segundo Weintraub aos senadores, o Enem será realizado em novembro e não há perspectiva de que os efeitos do coronavírus se mantenham lá.

Para o vice-líder do governo no Senado, Izalci Lucas (PSDB-DF), o ministro não entendeu a gravidade da situação. "É lógico que há necessidade de se adiar o Enem. Só ele [ministro] não vê isso", disse o senador.

Ele afirmou que seguirá defendendo que o projeto que prevê o adiamento seja colocado em votação. "É lamentável e insensível a forma como ele falou na reunião. Ele não pode agir dessa forma", disse o senador.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.