Descrição de chapéu
Rio de Janeiro universidade

Nenhum país do mundo enfrenta Covid parando uma de suas melhores universidades por falta de verba

Menos da metade do orçamento federal previsto para a UFRJ está disponível para execução

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A possível paralisação das atividades da UFRJ por falta de recursos até para pagar conta de energia já seria uma tragédia suficiente se não estivéssemos enfrentando uma pandemia. No contexto da Covid-19, no entanto, o anúncio da insustentabilidade financeira de uma das melhores universidades brasileiras ganha tom de surrealidade.

A universidade tem um orçamento projetado neste ano de R$ 383 milhões para arcar com serviços de limpeza, de segurança e com despesas ligadas às suas atividades mínimas de ensino, pesquisa e extensão.

O problema é que o orçamento federal previsto para a universidade é de R$ 299,1 milhões em 2021 –e menos da metade dos recursos está, de fato, disponível para execução (R$ 146,9 milhões). O restante demanda suplementação via Congresso Nacional, que pode não acontecer.

Com a quantia que tem disponível em caixa, a UFRJ consegue operar até o meio do ano. Depois disso, não tem mais como pagar suas contas básicas –e pode fechar as portas. Muitas portas: nove hospitais universitários, treze museus e mais de 1.450 laboratórios de pesquisa, em atividades que reúnem mais de 60 mil alunos na graduação e na pós.

Fachada amarela de prédio universitário em meio a árvores
Prédio do campus Praia Vermelha da UFRJ, que relata dificuldade em manter serviços após cortes orçamentários - Ricardo Borges - 3.set.20/Folhapress



Para se ter uma ideia, parar a UFRJ significa interromper leitos de UTI para Covid-19 e inviabilizar, por exemplo, pesquisas em andamento para o desenvolvimento de novas formas de diagnóstico e de uma possível vacina nacional contra o coronavírus.

Isso sem contar as pesquisas em andamento em outros temas. Antes da Covid-19, a UFRJ já se destacava por trabalhos de excelência mundial em áreas como petróleo. Também foram pesquisadores da universidade que fizeram o genoma do zika vírus e que compreenderam os danos que o microorganismo causa no cérebro –só para citar alguns exemplos.

Qual seria a reação mundial se a Universidade de Oxford, no Reino Unido –que produziu com a Astrazeneca uma das vacinas contra Covid-19 disponíveis no Brasil– anunciasse que vai fechar as portas por falta de dinheiro? Pois é.

Nenhum país do mundo enfrenta a Covid-19 –ou qualquer outro problema complexo– inviabilizando suas melhores instituições de pesquisa por falta de verba. Ao contrário: em tempos de pandemia, países desenvolvidos aumentam os esforços em ciência e incentivam parcerias para viabilizar soluções.

Enquanto universidades de excelência reúnem seus cientistas em coletivas de imprensa globais para divulgar inovações no enfrentamento da pandemia, no Brasil, gestores da UFRJ precisam se juntar para apresentar gráficos financeiros assustadoramente em declínio –e para pedir ajuda.

Dados que vieram à tona nesta quarta (12) pela reitoria da universidade, por exemplo, mostram que há dez anos a UFRJ tinha 2,5 vezes mais recursos para custeio e manutenção do que o previsto neste ano (que, vale lembrar, pode nem ser totalmente implementado). Em 2012, a universidade teve R$ 773 milhões em caixa.

Estamos diante do desmonte de uma das melhores universidades brasileiras em avaliações internacionais e nacionais. No RUF (Ranking Universitário Folha), a UFRJ chegou a liderar o país nas edições de 2017 e 2018 –posição ocupada pela USP na última edição.

A universidade também está no "top 5" do último RUF na avaliação de empregadores entrevistados. E, também de acordo com o RUF, oferece um dos três melhores cursos do país em carreiras como engenharias, serviço social, matemática, geografia e química.


Simbólica, a UFRJ foi uma das primeiras instituições que chamamos de "universidade" no país no início do século 20. Nasceu como Universidade do Rio de Janeiro; depois, foi rebatizada de Universidade do Brasil até atender por Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Um século depois, universidades públicas como a UFRJ conduzem mais de 90% das pesquisas científicas –que colocam o país entre os quinze maiores produtores de ciência do mundo.

Está na hora de entendermos que instituições de pesquisa são centrais no desenvolvimento do país e no enfrentamento de desafios como a pandemia de Covid-19.

Reduzir recursos em universidades públicas implica em importação de soluções, de conhecimento e de tecnologia. A conta, obviamente, vai sair bem mais cara.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.