Vivenda lança programa de aceleração para negócios e profissionais de habitação

Seis empresas foram selecionadas para o primeiro piloto do programa e passam a integrar a Plataforma de Melhorias Habitacionais da Vivenda

São Paulo

A Vivenda, empresa que reforma habitações a baixo custo e integrante da Rede Folha, anuncia a criação de uma iniciativa que irá certificar e acelerar negócios de impacto social em habitação, contando com a parceria da Artemisia –organização sem fins lucrativos responsável pela aceleração da Vivenda no início da trajetória da empresa.

Os negócios apoiados passam a integrar a Plataforma de Melhorias Habitacionais da Vivenda, criada para ofertar soluções de arquitetura, crédito, material e mão de obra de forma descentralizada pelo Brasil.

A iniciativa é pontuada pelo triplo objetivo de estruturar o ecossistema de melhorias habitacionais para a periferia, certificar negócios de impacto e profissionais do setor como arquitetos e engenheiros –que hoje estão pulverizados– a operar com as tecnologias e mecanismo de financiamento da Vivenda, e dar acesso aos moradores de outros estados a reformas acessíveis de baixa complexidade e alto impacto social.

Após um processo minucioso de seleção, foram escolhidos os seis primeiros negócios que integram o piloto da iniciativa, sendo quatro do Recife (ABRA, Arquitetura Faz Bem, Construnir e DonaObra); um de Pelotas, no Rio Grande do Sul (Eficiobra); e um de Belo Horizonte (Arquitetos da Vila).

Os empreendedores passam a fazer parte do processo de homologação e aceleração –que tem como foco a estruturação de processos, gestão interna, acesso a crédito, vendas e relacionamento com cliente. Ao longo da jornada, a expectativa é que as empresas se tornem parceiras da Vivenda e aptas a operar no mercado com metodologia e ferramentas necessárias para ter tração e atingir as próprias metas.

Na análise de Fernando Assad, cofundador da Vivenda, a importância da iniciativa se dá para os dois lados envolvidos: tanto para a empresa, quanto para os negócios homologados.

“Por um lado, a Vivenda garante ao ecossistema que mais empresas estarão aptas a operar neste mercado de maneira estruturada e profissional, inclusive, inserindo-as na utilização das nossas próprias estruturas. Por outro, é importante para os empreendedores, porque se qualificam e se profissionalizam de maneira muito rápida, pois superar o desafio de acessar uma estrutura de financiamento adequada e tecnologias de ponta para operar neste mercado é o que estes negócios esperam e é o objetivo final deste processo”, afirma Assad.

Para a Artemisia, a iniciativa está em sinergia com a estratégia de criação de ecossistemas de impacto em setores estruturantes, com arranjos que potencializam a proposta de escalar as soluções e os impactos gerados.

Segundo Maure Pessanha, diretora-executiva da organização, o projeto é bastante inovador, sobretudo porque fomenta e traz inovação ao campo da habitação.

Para chegar aos seis negócios selecionados, a equipe da Vivenda acompanhou 24 empresas em 12 estados brasileiros, ao longo de 60 dias.

O processo contou com uma entrevista diagnóstica com 80 perguntas –voltadas a aprofundar o entendimento sobre o negóci –; reunião de validação e aprofundamento do conteúdo; avaliação do estágio do negócio (ideação, operação ou tração); desenvolvimento de plano de trabalho customizado; e operacionalização.

Na segunda etapa, os empreendedores participaram de debates sobre modelo de governança, operação da parceria e formas de comunicação para públicos-alvo.

O início do processo de homologação e aceleração foi conduzido ao longo do mês de setembro, tendo por foco o entendimento de ferramentas de tecnologia e processos para gestão comercial; em outubro a ênfase será a reestruturação de processos e desenho de funil de vendas, e estratégias de comunicação.

Até o final de 2020, a Vivenda pretende homologar e acelerar novos negócios de impacto social. Em 2021, a proposta é ter 20 empresas parceiras operando Brasil afora por meio da Plataforma de Melhorias Habitacionais Vivenda.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.