Feira Preta lança plataforma de vendas online para empreendedores negros

Marketplace pretende se tornar maior ecommerce orientado a causas ativistas no país

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A Feira Preta, maior evento de cultura e empreendedorismo negro da América Latina, lança nesta quinta-feira (13), em parceria com o Santander, sua plataforma de vendas online. Serão comercializados produtos e serviços desenvolvidos por negros, indígenas, LGBTQIA+ e quilombolas que tiveram seus negócios acelerados pela PretaHub.

Com mais de 500 produtos cadastrados, entre itens de decoração, moda, cosméticos, afro-religiosas e papelaria, o Marketplace Feira Preta pretende se tornar o maior ecommerce orientado a causas ativistas no país.

“Comprar e vender no Marketplace Feira Preta é mais do que comercializar um produto, é acreditar no sonho de uma mulher negra de desenvolver potência da inventividade e criatividade preta", afirma Adriana Barbosa, CEO da PretaHub e fundadora da Feira Preta.

A proposta da empreendedora, que venceu o Troféu Grão do Prêmio Empreendedor Social em 2019, é ajudar na transformação digital e no crescimento de negócios criados por afroempreendedores na internet. "É uma ferramenta que gera valor e co nstrói um mundo de oportunidades para um futuro preto", diz.

"É uma vitrine", diz Rose Lourenço, idealizadora da marca Semente Crioula. Frequentadora da feira desde que ela acontecia na praça Benedito Calixto, na capital paulista, e expositora desde 2019, a empreendedora aposta no potencial do ecommerce. "Meu produto vai sair de São Paulo e ser reconhecido no mundo inteiro."

Para Gleide Oliveira, que tem negócio de joias artesanais em Salvador, a possibilidade de expor seus produtos na plataforma foi um suspiro. "Eu não estava conseguindo vender durante a pandemia, tive depressão".

Assim que recebeu a aprovação para fazer parte do marketplace, sentiu que não estava sozinha. "O apoio e o acolhimento das pessoas me levantou."

mulher negra posa de lado com regata amarela e saia vermelha colorida
Gleide Oliveira, da Gleide Regina Joias Artesanais, comercializa produtos no marketplace da Feira Preta - Divulgação / Arquivo pessoal

Para participar da plataforma, os empreendedores precisam ter participado de uma das 19 edições do Festival Feira Preta ou ter passado por uma das acelerações da PretaHub, além de ter ou abrir uma conta no Santander. Não há cobrança pela publicação de anúncios e há uma taxa de 15% sobre as vendas concretizadas.

O trabalho do banco com a Feira Preta foca na capacitação e na facilitação do acesso a serviços bancários e plataformas de gestão para empreendedores da rede PretaHub.

"A Feira sempre foi feita a várias mãos, de preto para preto, com o propósito de mudar a realidade dentro da nossa perspectiva. A parceria com o Santander nos faz vislumbrar mais possibilidades de sustentabilidade econômica da população negra”, afirma Adriana Barbosa.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.