Descrição de chapéu
mudança climática

No clima para começar um ano decisivo

2022 é o ano para colocar a mão na massa, com ambição, planos e ações concretas voltadas à proteção do meio ambiente

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Malu Ribeiro

Diretora de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica

Luis Fernando Guedes Pinto

Diretor de conhecimento da Fundação SOS Mata Atlântica e membro da Rede Folha de Empreendedores Sociais

Fortes chuvas são um fenômeno natural nesta época do ano na região da mata atlântica, onde vive a maior parte da nossa população. Já as enchentes, mortes e prejuízos não podem se tornar comuns, embora sejam tragédias anunciadas. Eles são resultados do desmatamento e da ocupação desordenada do nosso país.

A destruição ambiental gera um efeito bumerangue, que costuma afetar mais fortemente as populações mais pobres e vulneráveis. Isto tem se tornado mais intenso e frequente e será ainda mais grave devido às mudanças climáticas. Se a questão climática já vinha sendo compreendida, 2021 foi fundamental para entendermos a urgência de ação imediata. 2022 é o ano para colocar a mão na massa, com ambição, planos e ações concretas voltadas à proteção do meio ambiente.

Bairro alagado na cidade de Juatuba, no interior do estado de Minas Gerais - Eduardo Anizelli/Folhapress

Recordando que muitos países, governos estaduais, municípios e empresas firmaram compromissos com a agenda climática para alcançar a neutralidade das suas emissões de gases de efeito estufa, no máximo, até 2050. Mas as metas somente serão alcançadas se os trabalhos se iniciarem imediatamente, independente de eleições, Copa do Mundo e pandemia. As promessas estabelecidas em 2021 não podem ser tratadas como aquelas de fim de ano, como fazer dietas, que não costumam durar até o Carnaval. Elas vão de fato determinar o nosso futuro.

Cabe às empresas transformarem os seus compromissos voluntários em ações concretas de redução de emissões e compensações complementares, se necessário, nos seus negócios e nas suas cadeias produtivas de maneira transparente e com robustez para comprovar que estão de fato contribuindo para conter o desmatamento, recuperar florestas e rios e reduzir a pressão sobre os recursos naturais na direção de um planeta neutro. Há desconfiança de consumidores e investidores se estes compromissos empresariais de fato colaboram para o clima e, assim, sofrerão escrutínio cada vez maior da sociedade.

Há uma grande expectativa de que governos estaduais e municípios possam fazer a diferença localmente. Para isso, é essencial que os planos existentes, muitos deles apresentados na Conferência do Clima no Reino Unido, saiam das gavetas e sejam implementados, com a definição de metas de curto prazo, alocação de equipes e recursos. Um exemplo concreto disso são os Planos Municipais da Mata Atlântica e a implementação do Código Florestal com a recuperação das áreas de preservação permanente urbanas e rurais.

Infelizmente, no plano federal, em um ano crucial para as próximas décadas, os esforços ainda serão para a contenção de danos e evitar mais retrocessos de um governo pilhador da natureza, negacionista da ciência e que despreza a saúde, as populações indígenas e tradicionais. Enquanto o Brasil assumiu o compromisso de acabar com o desmatamento e reduzir em 30% as emissões de metano até 2030 e a Europa, EUA e China deixaram claro que não vão comprar commodities com desmatamento em sua cadeia produtiva, no Congresso temos projetos de lei para flexibilizar o licenciamento ambiental, regularizar invasões de terra e permitir mineração em terras indígenas.

Usina termoelétrica a carvão na cidade de Baotou, na região autônoma da Mongólia, no interior da China - David Gray . 31.out.2010/Reuters

É bom lembrar que o Brasil é um país chave no tabuleiro do clima, com oportunidades raras para contribuir para a mitigação das mudanças climáticas e, ao mesmo tempo, atrair recursos para construir um novo ciclo de desenvolvimento inclusivo, que tenha a agenda ambiental como estratégica. A nossa janela vai até 2030, onde as soluções baseadas na natureza, como o fim do desmatamento e a restauração florestal, serão uma solução viável, efetiva e economicamente competitiva para a mitigação climática, coincidindo com a Década da Restauração de Ecossistemas da ONU.

Para isso, o fim do desmatamento e a restauração da mata atlântica são ações concretas que devem constar das plataformas para os nossos próximos governantes.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.