Imagens de mercado saqueado em São Vicente (SP) que circulam nas redes são de 2013

Na terça, Bolsonaro criticou o fechamento de escolas e comércio para combater a epidemia

São Paulo

Em meio ao temor causado pelo avanço do novo coronavírus, circulam pelas redes sociais notícias de mercados saqueados em 2013 como se fossem atuais e consequências da quarentena imposta em várias regiões do Brasil.

Algumas das publicações compartilham imagens de um mercado em São Vicente, no litoral paulista, completamente destruído e com praticamente todos os produtos furtados das prateleiras.

O fato, porém, aconteceu há sete anos, no contexto da turbulência vivida pelo país nas chamadas jornadas de junho, marcadas por manifestações pela redução do preço das passagens de ônibus, entre outras pautas. Na ocasião, grupos se aproveitaram da situação para furtar estabelecimentos comerciais.

Na manhã desta quarta-feira (25), o economista Rodrigo Constantino, colunista de A Gazeta do Povo, chegou a publicar a imagem desse mercado furtado em 2013. Ele apagou a publicação momentos depois.

“Já começou, e o desemprego nem subiu ainda! Vão produzir um cenário de caos, de anomia, de terra sem lei, de Mad Max!”, escreveu o economista nas redes sociais ao compartilhar a notícia antiga.

Publicação com imagem de mercado saqueado em 2013
Publicação com imagem de mercado saqueado em 2013 - Reprodução/Twitter

Há, sim, casos de saques a mercados registrados nos últimos dias, mas na Grande São Paulo. A Polícia Civil passará a fazer rondas noturnas nas cidades.

A Polícia Militar já vem desenvolvendo um esquema especial de policiamento, tendo como uma das preocupações centrais tentar evitar saques e depredações de estabelecimentos comerciais como supermercados e farmácias.

Segundo integrantes da cúpula da Segurança Pública ouvidos pela Folha, outro foco de preocupação são as vias totalmente voltadas para o comércio, que, com a quarentena, estão quase desertas. Isso facilitaria os casos de furtos, porque não há a presença de cidadãos que, ao notarem algo errado passando por esses locais, acionem as forças de segurança.

Em pronunciamento na noite de terça (24), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou o fechamento de escolas para combater a epidemia. Antes, ele já havia argumentado que ações como o fechamento de comércios e divisas entre os estados causam prejuízos econômicos para o país.

"Esse é o resultado destas medidas de isolamento social e do sensacionalismo da mídia: povo de geladeiras vazias e sem dinheiro por não ter trabalho", escreveu no Twitter o usuário Ted Scaglianti ao compartilhar a notícia antiga.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.