Pessoas que vierem do exterior devem ficar em casa por sete dias, recomenda ministério

Governo também orienta organizadores a cancelar ou adiar eventos de massa

Brasília

O Ministério da Saúde passará a recomendar, a partir desta sexta-feira (13), que todo viajante internacional fique em isolamento em casa por até sete dias contados da data de desembarque, mesmo sem sintomas de covid-19. ​

Caso apresente febre em conjunto com outros sintomas, como tosse ou falta de ar, a orientação é que procure uma unidade de saúde. Se houver apenas um dos sintomas, como tosse ou coriza, a orientação é que as pessoas fiquem em casa ou liguem para o telefone 136 em caso de dúvidas.

A medida faz parte de um conjunto de medidas não farmacológicas planejadas pelo Ministério da Saúde e informadas aos estados para diminuir a transmissão do novo coronavírus.

O objetivo não é impedir o avanço do vírus, mas reduzir a carga no sistema de saúde. Segundo o secretário de Vigilância, Wanderson Oliveira, países que adotaram essas ações conseguiram reduzir a curva de crescimento de casos.

"A cada três dias, podemos ter o dobro do número de casos se não adotarmos essas medidas", disse Oliveira, citando dados internacionais.

Entre as medidas propostas aos estados, está recomendar a organizadores de eventos de massa que adiem ou cancelem eventos se houver tempo hábil.

Se for não possível, a orientação é que o evento ocorra sem público. A mesma medida vale para eventos com mais de cem pessoas em locais fechados.

A pasta também recomenda que seja adiada a realização de cruzeiros até que a emergência seja encerrada. "Não dá para aceitarmos. Vimos a situação que ocorreu em um cruzeiro no Japão [que teve que ficar em quarentena] e não queremos que isso ocorra no Brasil", afirmou Oliveira.

Serviços públicos e privados devem ter locais para que as pessoas possam lavar com frequência, com papel toalha, e dispenser com álcool em gel 70%, sugere o ministério. É recomendado ainda aumentar a frequência de limpeza de corrimões e maçanetas.

Para idosos e doentes crônicos, a recomendação é evitar locais com grande aglomeração. "Evitem viagens, cinemas e shows", afirma.

O ministério também orienta a realização de velórios sem concentração de pessoas.

As medidas são sugeridas a todos os estados, para que haja adaptação local, a partir desta sexta (13).

A pasta também recomenda ações para locais que tiverem confirmação de transmissão sustentada do novo coronavírus, situação que ocorre quando não é possível verificar a origem da infecção.

Até o momento, a maior parte dos estados têm casos em maioria importados, de pessoas que vieram de outros países, ou de transmissão local —quando é possível estabelecer um vínculo entre os pacientes.

Já se for confirmada a transmissão sustentada, a recomendação é que estados e municípios incentivem empresas a fazerem reuniões virtuais, trabalho remoto e cancelamento viagens não essenciais.

Também devem ser estimulada a adoção de horários alternativos para os trabalhadores ou com escala.

Escolas também devem avaliar planejar a antecipação de férias --como passar as férias de dezembro para o inverno.

Secretarias de saúde devem fazer monitoramento de admissões e altas hospitalares.

A pasta recomenda que uma eventual declaração de quarentena ocorra apenas ao atingir 80% da ocupação de leitos de UTI disponíveis.

Segundo o ministério, a medida deve ser adotada com cautela e após planejamento devido aos seus impactos.

"É a estratégia mais delicada, que causa maior impacto econômico e social. Queremos evitá-la, mas é necessário que isso esteja em nosso planejamento", diz o diretor do departamento de doenças transmissíveis do ministério, Julio Croda.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.