Descrição de chapéu Coronavírus

Prefeito morto por Covid-19 no Piauí era caseiro e leiteiro famoso

Em uma das vezes que precisou sair de casa, político contraiu a doença de uma pessoa de Parnaíba, a 140 km de distância

Santos

Primeira vítima por Covid-19 no estado do Piauí, Antônio Felícia, 57, era figura conhecida onde morava. Maior produtor de leite da região, o prefeito de São José do Divino não gostava de sair da cidade. O que não o impediu de contrair o novo coronavírus de uma pessoa que mora em Parnaíba, a cerca de 140 km de distância.

O prefeito se reuniu com a contaminada em duas oportunidades no mês de março, sendo uma delas em Parnaíba e outra em Teresina, mais distante ainda, a 230 km. No trajeto, teve como companhia apenas seu motorista pessoal. Uma das pessoas que agora vai ficar em observação e quarentena nos próximos dias em São José do Divino.

De camisa azul de manga cumprida, Antônio Felícia aparece em sala com janela e porta ao fundo. Ele está sentado com as mãos sobre o colo.
Prefeito Antônio Felícia (esquerda), de São José do Divino (PI), foi o primeiro óbito registrado pelo novo coronavírus no Piauí - Divulgação / Prefeitura de São José do Divino (PI)

Antônio Felícia tinha histórico de diabetes, fato que o colocava no grupo de risco para a Covid-19. Quando sentiu os sintomas, há três dias, ele procurou ajuda do prefeito e médico Raimundo Alves, da cidade vizinha de Piracuruca, a 18 quilômetros de distância. Com uma piora brusca e repentina no quadro, deu entrada no hospital com falta de ar intensa. Era tarde.

"Ele sentiu os sintomas na quarta (25), achou que era uma 'gripezinha', como diz o presidente [Jair Bolsonaro], mas no começo da noite foi ligeiro, o ataque é muito rápido. Ele tinha diabetes, então é muito rápido. Se não tiver nas proximidades a condição de atendimento, não salva vidas", disse à Folha o governador do Piauí, Wellington Dias (PT).

Amigo pessoal do prefeito há 20 anos, o governador contou que o prefeito gostava de ficar em São José do Divino e dedicava-se à sua fazenda, sem ter muito o hábito de sair da região.

"Ele era um cara muito simples e tímido, mas bastante alegre e reconhecido. Era muito dedicado à comunidade dele. Também não era de viajar, ficava na região dele. Ia a Teresina para alguma atividade específica e voltava no mesmo dia", contou o governador.

Nos últimos anos, Antônio Felícia vinha trabalhando com um objetivo de transformar seu negócio na primeira indústria de leite em pó do Piauí, trabalhando com achocolatado e outras misturas e derivados.​ Era seu próximo projeto pessoal, agora interrompido pelo novo coronavírus.

O Piauí vem mapeando os casos de Covid-19 no estado - 11 confirmados até o momento -, e quem transmitiu a doença para o prefeito contraiu a Covid-19 possivelmente em Limoeiro do Norte, no Ceará, uma cidade com casos suspeitos, segundo o governo do Piauí.

Wellington Dias contou que o estado está em alerta com o novo coronavírus desde o fim de janeiro, e vinha fazendo o monitoramento de entradas de pessoas que chegavam de locais afetados pela doença. Porém, uma falha no aeroporto de Teresina permitiu que quatro pessoas infectadas, provenientes de China, Rio e São Paulo, chegassem ao estado.

"Por esses quatro casos, nós chegamos aos primeiros oito casos do estado, e em seguida a esse caso de Parnaíba. Desde o começo, a primeira coisa que fazemos é verificar se a pessoa foi confirmada. Então, fazemos um mapa de toda a relação daquela pessoa e verificamos depois com quem esteve", disse o governador Wellington Dias.

Primeira vítima por Covid-19 no Piauí, Antônio Felício vinha defendendo medidas de isolamento social no município de São José do Divino desde o dia 16 de março, quando suspendeu as aulas na rede municipal, seguindo o exemplo do governo do estado.

Três dias depois, adiou os jogos alusivos à comemoração do 28º aniversário de emancipação política de São José do Divino. No dia 23, suspendeu eventos esportivos, artísticos, culturais, políticos, científicos, comerciais, religiosos e outros que pudessem trazer aglomeração.

O prefeito era natural de Piracuruca, onde passou a infância e adolescência. Ele deixou a cidade aos 20 anos de idade, quando foi ser auxiliar de serviços gerais na Companhia do Vale do Rio Doce, em Serra dos Carajás, no Pará.

Após 12 anos como auxiliar, foi promovido a operador de máquinas. Nesse meio tempo, concluiu o ensino fundamental e médio dentro da própria empresa. Morou por 12 anos em Araguaína, no Tocantins, quando trabalhou com autopeças de motos.

Em 2005, começou a atuar como agropecuarista e teve maior sucesso, virando anos depois o maior produtor de leite de São José do Divino, com uma produção diária de 1.500 litros ao dia, segundo a prefeitura.

Foi prefeito da cidade pela primeira vez no período 2009-2012, quando era filiado ao PTB. Na eleição de 2016, já no PT, voltou a concorrer e somou 2.573 votos, de um universo de 3.861 votos válidos na cidade com cerca de 5 mil habitantes. Mas a Covid-19 interrompeu o mandato - e a vida - de Antônio Felício.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.